Afripedia: O primeiro banco de dados de talentos afrodescententes

Afripedia é o nome de uma plataforma que se propõe em reunir, num só lugar, profissionais criativos de ascendência africana que atuam mundo afora. A iniciativa surgiu da cabeça de dois cineastas da Etiópia e da Eritreia: Teddy Goitom e Senay Berhe. Os dois produziram em 2014 uma  série documental homônima. Dividida em cinco partes, o trabalho mostrou criativos emergentes das principais cidades africanas.

Com a proposta de lançar um novo olhar sobre o que é ser um artista africano nos dias de hoje, a série  alcançou um enorme sucesso, sendo apresentada em mais de 70 festivais desde seu lançamento.

“A Afripedia se expandiu além de uma docu series para se tornar um movimento on-line onde criativos de ascendência africana podem se conectar, compartilhar seu trabalho e em breve serem procurados por grandes empresas globais”, afirma Teddy Goitom.

Durante a produção da série de filmes, Teddy e Senay perceberam o quanto talentos africanos eram mal representados globalmente . Isso foi o pontapé para o lançamento da Afripedia como “um lar digital” para a comunidade africana e sua diáspora. Nessa entrevista à ATLANTICO, Teddy Goiton conta como pretende  conectar e impulsionar esses talentos para gerar novos empregos e promover novo paradgimas para a indústria criativa.

ATLANTICO – Como você teve a ideia de criar Afripedia?

Teddy Goiton – A Afripedia começou como uma série de documentários em cinco partes, apresentando criativos emergentes das principais cidades da África. O trabalho dos artistas apresentados não foi apenas intrigante, mas desafiou os estereótipos e mudou os preconceitos do que significa ser africano hoje. 

Teddy Goitom

Enquanto produzíamos a série Afripedia, nós nos conectamos com talentos em todo o continente africano. Tornou-se evidente que havia um grupo significativo de talentos em todo o continente que permaneceu sub-representado na indústria criativa global.

Foi aqui que acendeu uma lâmpada com uma ideia disruptiva para toda a indústria criativa: o primeiro banco de dados do mundo com talentos de ascendência africana. A partir daí, a Afripedia se expandiu além de uma docusérie para se tornar um movimento on-line onde criativos de ascendência africana podem se conectar, compartilhar seu trabalho e em breve ser procurados por grandes empresas globais.

ATLANTICO – Qual é a proposta da Afripedia?

Teddy Goiton – Neste momento, oferecemos aos criativos a oportunidade de fazer parte de uma plataforma cuidadosamente selecionada, onde seus trabalhos serão acessíveis e promovidos. A Afripedia possibilitará colaborações entre criativos africanos e também abrirá as portas para oportunidades de negócios em escala global, sendo uma inspiração para os outros, especialmente a atual e a próxima geração de criativos.

ATLANTICO – Quais são as metas da Afripedia?

Trabalho da estilista Hodo Musa Foto: Afripedia

Teddy Goiton – Nossa meta é fazer com que a  Afripedia sirva como o principal mecanismo de pesquisa para identificar os melhores talentos criativos de ascendência africana, uma plataforma para colaborações criativas em toda a África e sua diáspora e um hub global de empregos para futuros melhores talentos.

ATLANTICO – Como é feita a curadoria? Qualidade é mais importante que quantidade neste momento?

Teddy Goiton – Sim, a qualidade é mais importante que a quantidade, é por isso que queremos crescer organicamente e não focar nos números. Nós colocamos um esforço imenso no processo de verificação para manter o alto padrão e a integridade artística da Afripedia.

ATLANTICO – Quais são as fontes de financiamento da Afripedia? Como você espera obter novos recursos financeiros no futuro?

Teddy Goiton – O desenvolvimento da Afripedia foi principalmente autofinanciado. Também recebemos da Suécia fundos da para enriquecimento cultural. Atualmente, estamos no processo de desenvolvimento de novos modelos e ideias de negócios sobre como financiar de forma sustentável o futuro da Afripedia.

ATLANTICO – Quais são os impactos esperados para a Afripedia como um centro para profissionais criativos?

Teddy Goiton – Queremos contribuir para o sucesso de nossa comunidade de criativos africanos.Esperamos que a plataforma se torne um lar digital para a nossa comunidade e que continue a crescer e se tornar maior do que o que imaginávamos no início.

+ Website: https://afripedia.com/

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.