Atlântico Sul: nova rota para cabos submarinos

Ao contrário do que muitos possam pensar, grande parte da tecnologia que possibilita a quase instantânea comunicação internacional não é feita sem fio. Na realidade, 99% das comunicações transoceânicas são possibilitadas graças aos cabos submarinos que interligam os continentes. E são estes que passam a recriar uma rota que nas últimas décadas têm sido pouco explorada: o sul do Oceano Atlântico.   

Datados desde os anos de 1850, quando um cabo conectou América do Norte e Europa, eles se multiplicaram, e hoje são revestidos com fibras ópticas, para garantir maior durabilidade. Entretanto, por muitos anos, a comunicação do Brasil com o resto do mundo ficou dependente dos Estados Unidos, visto que todos os cabos brasileiros em funcionamento tinham uma “parada” nos EUA, para, então, irem a outros continentes.

Essa realidade já está em processo de mudança. Com a inauguração de novos cabos submarinos no Atlântico Sul, o Brasil passa a ter conexões diretas com a África e rotas alternativas para a Ásia e a Europa.

Em 2018, dois cabos passaram a ligar Fortaleza ao continente africano: o SACS (South Atlantic Cable System), que vai até Luanda, na Angola; e o SAIL (South Atlantic Inter Link), que alcança a cidade de Kribi, em Camarões.

Este mapa interativo mostra todos os cabos submarinos que conectam o mundo.

Para Adalberto Pessoa, presidente da Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice),  já é possível perceber melhorias na conexão de brasileira com a África. “A capacidade de comunicação da África com o Brasil e vice-versa melhoraram substancialmente. Antes, para se ter acesso a algum conteúdo no continente africano, a demora ao acesso de informações era significantemente maior. Então, de fato, a conexão melhorou, e não só a conexão com a África, mas também com Europa”, explica.

Futuras conexões

Cabo SACS chegando em Fortaleza (Foto: Angola Cables)

Para os próximos anos, novos cabos de fibra óptica conectarão o Brasil com o resto do planeta. Já está em construção o Ellalink, um cabo que vai de Santos a Fortaleza para, assim, cruzar o Atlântico até Portugal e Espanha, com conexão em Cabo Verde. O desenvolvimento do projeto terá custo de mais de 200 milhões de dólares.

A conexão Brasil-África também será explorada com o SAEx (South Atlantic Express), que ligará a África do Sul aos Estados Unidos, com uma conexão no Brasil, com custo estimado em U$480 milhões e previsão de funcionamento para 2020. Em seu projeto, também inclui uma segunda fase, que vai do país africano até a Índia e Singapura, com custo de U$ 300 milhões. Essa conexão também oferecerá ao Brasil uma rota mais curta para a Ásia.

 

Posição privilegiada

Boa parte destes cabos submarinos passam por Fortaleza. Por sua localização considerada estratégica, a Capital cearense se posiciona como um hub para cabos submarinos. “Na verdade, a posição geográfica de Fortaleza é muito especial, e faz com que, não só na área de conexão de dados, mas também nas áreas portuárias e aéreas ela seja esse hub. A posição faz com que haja a minimização dos tempos de acesso e tráfego de dados envolvendo o Brasil e os outros continentes”, afirma Adalberto Pessoa.

Procurando explorar essa posição, a Angola Cables, operadora internacional de cabos submarinos e responsável pelo SACS e uma das investidoras do Monet (cabo do Google que conecta o Brasil aos EUA) está construindo um data center na cidade, uma estrutura de 3.000m² e tipo Tier III – padrão de certificação internacional. A empresa estima que este empreendimento, quando tiver em completa operação, poderá gerar 50 empregos diretos, 700 indiretos e imensuráveis empreendimentos digitais.

A estrutura também será neutra, ou seja, poderá receber qualquer cabo que chegar à Fortaleza, não apenas os da Angola Cables, posicionando o Estado do Ceará como importante hub internacional.

A Angola Cables e a Etice recentemente fecharam um acordo que permitirá que a empresa cearense tenha acesso à estrutura deste Data Center, criando condições para que a região se beneficie do moderno empreendimento. “A Angola Cables, com sua conexão internacional e investimento, e a Etice com a infraestrutura de comunicação de dados no interior do estado, fazem essa parceria bastante enérgica”, finaliza o presidente da Etice.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...