Big Five-os embaixadores da fauna africana

Desde 1990, as moedas e notas de Rand (ZAR), o dinheiro oficial da África do Sul, vêm ilustradas com imagens de animais, grupo formado pelas cinco espécies de mamíferos mais difíceis de serem caçados na África, ou, como alguns preferem falar, os cinco animais mais poderosos das florestas e savanas africanas. São eles: o leão, o elefante africano, o búfalo, o leopardo e o rinoceronte. Conhecidos como Big Five estes animais têm uma importância simbólica para a cultura e a economia de alguns países do continente africano.

Os membros do grupo dos “cinco grandes” foram escolhidos por causa da dificuldade em caçá-los e não pelo tamanho de cada um. O termo Big Five foi usado originalmente pelos chamados “grandes caçadores brancos” no final do século XIX e início do século XX. Estes caçadores buscavam derrubar o maior número de animais no menor período de tempo possível. Além de ser considerado um rito de passagem para viajantes experientes o safári fazia parte da agenda de membros da realeza europeia e de chefes de Estado, que iam para a África à caça de algum animal grande e perigoso. Assim, os Big Five rapidamente se tornaram conhecidos como os animais mais perigosos para caçar a pé. Com o tempo, as armas de fogo foram trocadas pelas lentes das câmaras de fotógrafos aventureiros. E as cabeças empalhadas foram trocadas por imagens nas redes sociais.

 

ONDE ESTÃO

Os países onde todos os membros deste grupo podem ser vistos são Tanzânia, Quênia, África do Sul, Namíbia, Zimbábue, Botswana e República Democrática do Congo. “Os Big 5 são uma atração em todos os nossos pacotes. É extremamente raro alguém que solicite um pacote para a África do Sul que não inclua algum safári, seja em reserva privada ou em parque nacional”, afirma Dinah Carvalho, porta-voz da Kangaroo Tours, operadora de turismo especializada em safáris. “Certamente os animais têm enorme apelo entre os visitantes brasileiros embora deixemos claro que não existam garantias de se avistar os animais. As probabilidades são altas, porém nunca garantidas”, admite. De fato, os animais não estão presos em zoológicos e cada um deles possui características comportamentais próprias. Por isso, a busca por eles não é uma tarefa fácil, nem barata. O guia segue as pegadas e checa informações com outros guias para encontrar os animais. Um turista pode demorar até três dias para avistar uma manada de leões ou de búfalos. “Elefantes e Rinocerontes são pouco sociáveis com outras espécies. Já os búfalos são um pouco mais tolerantes com a presença de outras espécies de herbívoros. Os leões são felinos que se mantém em haréns, com raras exceções quando machos jovens são expulsos, diferentemente dos Leopardos, que são solitários”, explica o biólogo Anderson Augusto, pesquisador do Rio Zoo.

 

PARA DIVERTIR E CONSCIENTIZAR

Com cerca de 20 mil km² — quase do tamanho de Israel — o Parque Nacional Kruger, na África do Sul, é lar para 147 espécies de mamíferos e tem como principal apelo diversas opções de safári. “O Kruger desempenha um papel importante na conservação e no emprego na África do Sul, pois atrai mais de um milhão de visitantes por ano e apoia entre 300 mil e 600 mil pessoas que vivem nas áreas circundantes do parque”, explica Melville Saayman, pesquisador da North-West University e coordenador de uma pesquisa sobre os impactos econômicos dos Big Five. Segundo ele, 80% dos turistas que visitam a África do Sul se interessam pela vida selvagem. Além de impulsionar o turismo e representar a fauna sul-africana, os Big Five também chamam atenção para questões conservacionistas. Segundo a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN,sigle em inglês), elefantes, leões e leopardos são considerados espécies vulneráveis. Já os Rinocerontes são considerados quase ameaçados. Os búfalos, por sua vez, aparecem na lista como animais com menor potencial de ameaça.

 

BIG FIVE DO BRASIL

FOTO: FLOWCOMM

Os mamíferos da fauna brasileira pertencem a espécies de médioe pequeno porte, afirma o biólogo Anderson Augusto. No entanto, usando o tamanho como critério para nomear os “Big Five” brasileiros, a lista ficaria assim: Anta-brasileira (maior mamífero brasileiro), Onça-pintada (maior predador brasileiro), Onça-parda (segundo maior felino brasileiro), Cervodo-pantanal (maior cervídeo brasileiro) e Capivara (maior roedor do mundo).

A LISTA DO BIG SEVEN

“The Big Seven” é um termo que abrange os Big Five com outros dois outros animais: a chita e o cão selvagem. Essas duas criaturas são bastante evasivas e também são apreciadas por entusiastas da vida selvagem que usam câmeras. O parque é um ótimo lugar para apreciar o Big Seven. O Madikwe Game Reserve é atualmente a quinta maior reserva de caça e também é um dos parques menos conhecidos da África do Sul. Com 750 km2, o parque oferece uma série de lodges de luxo e é o lar de cerca de 66 grandes mamíferos e cerca de 300 espécies de aves

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...