Cabo Verde e Senegal vão ampliar a coleta eletrônica de dados

O censo eletrônico vem transformando a realidade dos institutos oficiais de pesquisa demográfica de Cabo Verde e Senegal. Os dois países africanos vêm utilizando a expertise brasileira para implementar a coleta eletrônica de dados.

O resultado dos diálogos promovidos entre os três países resultaram na criação dos Centros de Referência em Coleta Eletrônica de Dados. A ideia é fazer com que as metodologias desenvolvidas nesses centros possam ajudar outros países africanos a melhorar seus recenseamentos a partir das experiências positivas obtidas em Cabo Verde e no Senegal.

Os centros são formados por técnicos dos institutos oficiais de estatística dos três países: o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde (INE-CV) e a Agência Nacional de Estatística e Demografia do Senegal (ANSD).

Cabo Verde é o primeiro país africano a realizar um censo digitalizado - Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias
Cabo Verde é o primeiro país africano a realizar um censo digitalizado – Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

Depois de anos de parceria, Cabo Verde e Senegal querem ampliar a atuação dos seus centros de referência. Durante um encontro na sede do IBGE no Rio de Janeiro, representantes dos dois países puderam discutir com os técnicos brasileiras novas estratégias impulsionar o censo digital na África.

A presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, espera que esse movimento possa fortalecer a Cooperação Sul-Sul e reforçou a importância de se manter um diálogo aberto para avançar em pontos comuns. “São encontros que têm tido uma grande efetividade para o IBGE e para os países que são nossos parceiros”, acredita.

Para o vice-presidente do INE-CV, Celso Hermínio Soares Ribeiro, o diálogo com Brasil e Senegal deu mais autonomia para a realização dos trabalhos do instituto. “Conseguimos formar uma equipe com pessoas do próprio instituto graças à experiência compartilhada durante as fases de capacitação”, afirma Ribeiro. “Realizamos um recenseamento em 2013 com coleta eletrônica de dados que trouxe resultados com qualidade muito superior aos anteriores. Além disso houve uma melhora na disponibilização dos dados”, conta o diretor da ANSD, Mamadou Niang.

Brasil como referência internacional

Presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra
Presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

O IBGE possui ampla experiência em censos, tendo realizados esses levantamentos sucessivamente desde a década de 1940. O recenseamento de População e Habitação de 2010 foi o primeiro no mundo a ter todas as suas etapas realizadas em ambiente digital, tornando o país uma referência internacional nesta área.

O IBGE participou de iniciativas de cooperação em diversos países da África e da América do Sul, como São Tomé e Príncipe, Costa do Marfim, Paraguai e Uruguai.

Cabo Verde e Senegal estão entre os países com os quais o Brasil cooperou para a realização de coleta eletrônica de dados bem sucedidas nos seus últimos recenseamentos.

O pioneirismo de Cabo Verde

O país realizou desde 1940 o recenseamento da população usando métodos tradicionais de questionários em papel. Em 2010, como resultado da cooperação técnica entre o IBGE e o INE-CV, Cabo Verde passou a usar a tecnologia de dispositivos móveis para coletar dados do censo. O compartilhamento de experiências e o conhecimento adquirido permitiram realizar com sucesso o primeiro recenseamento na África integrando informações geográficas e alfanuméricas durante a coleta. A partir desse marco, o INE-CV teve oportunidade de dar continuidade à coleta eletrônica em outros projetos estatísticos. Além disso, ofereceu suporte, em 2013, à ANSD na realização do seu censo digital.

Senegal foi o segundo país africano a realizar a coleta eletrônica - Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias
Senegal foi o segundo país africano a realizar a coleta eletrônica – Foto: Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias

Senegal inspira outros países

Realizado em 2013, o Censo Geral de População e Habitação, Agricultura e Pecuária usou a coleta eletrônica de dados graças ao apoio combinado do Brasil e Cabo Verde. Por conta do sucesso, o Senegal recebeu delegações de alguns países africanos que se interessaram na metodologia usada no país. Burkina Faso, Níger, Mauritânia e Gabão foram alguns dos países que se interessaram pela experiência senegalesa. A ANSD também realizou missões para alguns desses países para acompanhar as equipes técnicas na preparação de recenseamentos.

Iniciativa premiada

Os Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados estão entre as cinco melhores iniciativas de cooperação Sul-Sul, no concurso de boas práticas do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Senegal e Cabo Verde foram os pioneiros no uso dessa tecnologia e com isso o projeto pretende expandir essa experiência para os outros países africanos.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...