Brazil Africa Forum

Cabo verde: o mar como solução para o colapso hídrico

Cabo Verde é um país vulnerável aos fenômenos naturais, particularmente às secas. Assim como em qualquer outro lugar do mundo, as atividades antrópicas têm como consequência a alteração dos microclimas, a desertificação e chuvas torrenciais. O país insular, e por isso possui aspectos vulcânicos, é dominado por ecossistemas de montanha e também um vulcão ativo, aumentando ainda mais a sua vulnerabilidade. Tendo em vista esses fatores, o país tem investido em soluções para driblar essas dificuldades, e combater a fome. 


Foto: Praia, Cabo Verde (FAO)

“Meu país e alguns outros de nossa sub-região africana estão envolvidos em processo de atenuação dos efeitos da seca. No passado, enfrentamos a fome e a morte em Cabo Verde por razões de seca e estiagem. Mas aprendemos a viver e a conviver com a seca em uma harmonia simbiótica que nos permitiu afastar a fome em Cabo Verde, apesar da influência episódica da estiagem hídrica. Passou a estiagem e ficamos de pé”, destacou o presidente do país, Jorge Carlos Fonseca,  durante o 8º Fórum Mundial da Água, que aconteceu em Brasília, em março do ano passado.

Governo e universidade juntos contra a escassez da água 

De fato, a conexão entre a academia e o governo tem resultado em medidas relativamente simples que trouxeram excelente resultados para o País. “São medidas  como conservação do solo e de água, construção de barragens e a captação de água subterrânea. No que toca à agricultura, a introdução de rega gota-a-gota contribuiu para  uma utilização de água mais sustentável”, conta Erik Sequeira, coordenador do Grupo Disciplinar de Ciências Agrárias da Universidade de Cabo Verde, em entrevista à ATLANTICO.  

O sistema de rega gota a gota é hoje um dos mais utilizados no país. O sistema otimiza o consumo de água aproveitada e não umedecem toda a superfície. Como resultado, as perdas de água por evaporação, lixiviação profunda e escorrimento são reduzidas ao mínimo ou eliminadas. Introduzido no país nos anos 1990, hoje o sistema abrange 27% do arquipélago. 

Na Universidade de Cabo Verde, as pesquisas têm se voltado para a gestão da água e a tecnologia está sendo considera uma grande aliada na resolução desses problemas. Um dos estudos feitos por lá, por exemplo, utiliza  sensores para avaliar a qualidade e a quantidade de água ideal para o consumo. 

Devido a localização de Cabo Verde no meio do oceano, a dessalinização da água dos mares  é uma boa alternativa para o país suprimir a falta de água, assim como a agricultura biossalina.


Foto: Costa de Cabo Verde (FAO)

A dessalinização em Cabo Verde iniciou-se em 1968 e, é atualmente responsável  por fornecer água a 80% da população, incluindo os principais centros urbanos, como as regiões de Sal, Mindelo, Boa Vista, e Praia. 

A Empresa Pública de Electricidade e Água, Electra, produz e distribui a água dessalinizada nas ilhas de São Vicente, Sal e na Cidade da Praia. Electra também faz o abastecimento da metade da população do país, só na capital pelo menos 60% da habitantes recebe a água dessalinizada através dela. 

O sistema ainda têm desafios a serem superados. Cerca de 55% de toda a produção é perdida durante o processo de bombardeamento da água para os tanques de distribuição. As perdas são causadas por fugas de água em tubulações e reservatórios antigos para onde é enviada antes de chegar ao consumidor. Outro problema é o valor da água, que ainda é considerado alto para a população, cerca de 0,20 euros para cada bidão de cerca de 30 litros.

População como peça-chave 

“Para mim a população é  a peça chave para superar a crise pois eles têm um papel preponderante na execução de práticas  que ajudem a superar a crise de água, por isso é importante que sejam sensibilizados, formados e envolvidos  em todos os projectos”, enfatiza o pesquisador Erik Sequeira.

Em março deste ano durante o Fórum Internacional sobre Escassez de Água na Agricultura, na capital do país, Praia, foi declarada a intenção do governo em expandir esse número para 100%. Com foco em Cabo Verde, nos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS), e nos países da África Ocidental, o fórum discutiu como o problema pode ser abordado e transformado numa oportunidade para o desenvolvimento sustentável e para a segurança alimentar e nutricional.

Foto: Praia, Cabo Verde (FAO)

“Apesar do clima árido do país, adotando tecnologias inovadoras como a dessalinização, a energia solar, a reutilização de águas residuais para a agricultura e até mesmo a colheita de nevoeiro, 90% da população tem acesso a água potável. Essa é uma situação altamente louvável”, declarou a vice-diretora geral de Clima e Recursos Naturais da FAO, Maria Helena Semedo, durante o evento. 

Leia Também: Colapso hídrico: novos caminhos para o uso da água


Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...