Costa do Marfim: projeto transforma plástico em tijolos para salas de aula

Mais de 280 toneladas de resíduos de plástico são produzidas todos os dias apenas em Abidjan. Apenas cerca de 5% são recicladas e o restante acaba em aterros situados em comunidades de baixos rendimentos, onde a poluição agrava as condições de higiene e saneamento.

A gestão inadequada de resíduos é responsável por 60% dos casos de malária, diarreia e pneumonia em crianças, doenças que representam as principais causas de morte de crianças na Costa do Marfim.

Para amenizar o problema, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em parceria com a empresa colombiana Conceptos Plásticos, anunciou a inauguração de uma fábrica que produzirá tijolos com plástico reciclado .

Sala de aula em Sakassou, Costa do MarfimCôte d’Ivoire. Foto: Frank Dejongh / Unicef.

Os tijolos, que são fáceis de montar, duráveis e de baixo custo, serão utilizados para construir salas de aula. O país precisa de 15 mil salas de aula para responder às necessidades. A nova parceria deve usar plástico reciclado em áreas poluídas de Abidjan e arredores para construir 500 salas de aula para mais de 25 mil crianças. A construção deve acontecer nos próximos dois anos e existe potencial para aumentar a produção no futuro.

“Esta fábrica estará na vanguarda de soluções inteligentes e escaláveis para alguns dos principais desafios educativos que as crianças e comunidades de África enfrentam”, diz a diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore. “O potencial é triplo: mais salas de aula para crianças na Costa do Marfim, redução de resíduos de plástico no meio ambiente e uma fonte de rendimento adicional para as famílias mais vulneráveis.”

+ Neste momento, nove salas de aula já foram construídas em Gonzagueville, Divo e Toumodi usando tijolos plásticos feitos na Colômbia.

O representante do Unicef no país, Aboubacar Kampo, afirmou que um dos principais desafios enfrentados pelas crianças marfinenses é a falta de salas de aula, que não existem ou estão sobrelotadas, tornando a aprendizagem numa experiência desafiante e desagradável. “Em certas áreas, pela primeira vez, as crianças em idade pré-escolar dos bairros pobres poderão ter a possibilidade de frequentar salas de aula com menos de cem outros alunos.”, revela Kampo. 

Quando estiver em pleno funcionamento, a fábrica reciclará 9,6 mil toneladas de resíduos plásticos por ano. Além disso, será uma fonte de rendimento para mulheres que vivem na pobreza. “A iniciativa vai ajudar as mulheres a erguerem-se de uma situação de pobreza e contribuir para um mundo melhor para as crianças”, acredita a cofundadora da Conceptos Plásticos, Isabel Cristina Gamez. 

Em simultâneo com este investimento, estão em curso planos para levar este projeto para outros países da África e de outros continentes. Na África Ocidental e Central encontram-se um terço das crianças do mundo em idade escolar no ensino primário e um quinto das crianças do ensino básico que estão fora da escola. “Às vezes, é no seio dos nossos desafios mais prementes que se encontram as oportunidades mais promissoras”, revela Fore, da Unicef. 

Salas de aula sendo construídas em Gonzagueville. Foto: Frank Dejongh / Unicef

Os tijolos serão feitos 100% a partir de plástico e serão resistentes ao fogo. Segundo a Conceptos Plásticos, estes tijolos são 40% mais baratos, 20% mais leves e terão uma durabilidade superior, em centenas de anos, em relação aos materiais de construção convencionais. Estes tijolos também são à prova de água, bem isolados e projetados para resistirem a ventos fortes.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...