Crescimento econômico na Mauritânia deve dobrar em 2019

A Mauritânia deve seguir um crescimento forte na economia, com um avanço de 6,7% neste ano. A previsão, comparada com valores do ano passado (3,6%), equivale a um aumento de quase o dobro. Os dados foram divulgados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e são um resultado de um relatório feito a partir da terceira revisão do acordo que a organização mantém com o país, que inclui um empréstimo de US$ 159,8 milhões, com a contrapartida de reformas.

O acordo tem como objetivo principal consolidar a estabilidade econômica local, com o apoio direto ao crescimento inclusivo e geração de empregos, permitindo ao país a construção de reservas internacionais. A proposta das autoridades da Mauritânia, segundo a FMI, é investir esses recursos na educação, saúde, proteção social, e infraestrutura pública.

“A estabilidade econômica da Mauritânia foi mantida, a dívida externa diminuiu em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), as reservas aumentaram e algum espaço fiscal foi criado”, afirma o vice-diretor administrativo e presidente interno do Conselho Executivo do FMI, Mitsuhiro Furusawa. Para ele, a reforma estrutural progrediu conforme o previsto na Mauritânia.


Mitsuhiro Furusawa

O crescimento esperado para este ano será apoiado pelo crescimento de setores não-extrativos, forte demanda doméstica e diversificação econômica recente. O país também está desenvolvendo um grande campo de gás em alto mar. “Mas os riscos relacionados ao crescimento econômico global, à volatilidade das cotações das commodities, ao clima adverso e às preocupações com segurança regional permanecem altos”, acrescenta Furusawa.

De acordo com a FMI, é necessário amplas reformas estruturais, acompanhada do fortalecimento da política tributária e administrativa. Essas mudanças devem garantir uma maior abrangência fiscal e a reforma dos processos orçamentários para melhorar a eficiência dos gastos públicos. A organização sugere ainda uma modernização da política cambial, permitindo uma maior flexibilização da taxa de câmbio. Desta forma, o país sofrerá menos com os choques externos.

O acordo estabelecido entre o FMI e a Mauritânia, em Dezembro de 2017, tem um prazo de três anos. A última revisão feita permitirá que o país saque mais US$ 22,8 milhões, elevando o total de desembolsos até agora para US$ 91,3 milhões.

Com informações da Agência de Notícias Brasil Árabe (ANBA)

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...