Brazil Africa Forum

Dia Mundial da Segurança Alimentar: nova data para o combate à fome

“Segurança Alimentar, o negócio de todos” é o tema do primeiro Dia Mundial da Segurança Alimentar, celebrado em 7 de junho de 2019. Adotado pela Assembléia Geral das Nações Unidas em dezembro de 2018, a data destaca a necessidade de melhor prevenção, detecção e gerenciamento dos riscos de origem alimentar. A segurança alimentar é a chave para alcançar vários Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e é uma responsabilidade compartilhada entre governos, produtores e consumidores.

“Alimentos inseguros também dificultam muitas economias de baixa e média renda que perdem cerca de 95 bilhões de dólares em produtividade a cada ano. Manter os alimentos seguros é um processo complexo que começa no agricultor e termina no consumidor. Envolve todos ao longo do sistema alimentar”, justifica José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)”.

O acesso a quantidades suficientes de alimentos seguros e nutritivos é fundamental para sustentar a vida e promover a boa saúde, segundo a FAO. As doenças transmitidas por alimentos impedem o desenvolvimento socioeconômico, sobrecarregando os sistemas de saúde e prejudicando as economias nacionais, o turismo e o comércio.

Com uma estimativa de 600 milhões de casos de doenças transmitidas por alimentos anualmente – quase 1 em cada 10 pessoas no mundo adoecem depois de comer contaminadas – a segurança alimentar é uma ameaça crescente à saúde humana. Crianças menores de 5 anos carregam 40% da carga de doenças transmitidas por alimentos com 125.000 mortes a cada ano.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), em colaboração com FAO, tem a missão de facilitar o esforço dos Estados Membros para celebrar o Dia Mundial da Segurança Alimentar este ano e nos próximos anos. “Alimentos não seguros matam cerca de 420 mil pessoas por ano. Essas mortes são totalmente evitáveis”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “O Dia Mundial da Segurança Alimentar é uma oportunidade única para aumentar a conscientização sobre os perigos dos alimentos não seguros com governos, produtores, manipuladores e consumidores. Da fazenda ao prato, todos nós temos um papel a desempenhar para tornar a comida segura”.



Desafios para a África

Estima-se que 91 milhões de pessoas na África consomem anualmente alimentos contaminados que as deixam doentes, e cerca de 137 mil pessoas morrem. Alimentos que contenham bactérias, vírus, parasitas ou substâncias químicas nocivas causam doenças que variam da diarréia aguda até as condições de vida, incluindo alguns tipos de câncer.

Estima-se que, em 2015, 159 milhões de pessoas ainda coletaram água potável diretamente de fontes de água de superfície, 58% das quais na África subsaariana.

Matshidiso Moeti

Além dos US $ 15 bilhões em despesas médicas que as famílias nas economias de baixa e média renda gastam a cada ano por causa de alimentos inseguros, um estudo recente do Banco Mundial também descobriu que essas economias perdem US $ 95,2 bilhões em produtividade econômica.

“As doenças transmitidas por alimentos são completamente evitáveis”, explica Matshidiso Moeti, diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a África. “Todos os jogadores ao longo da cadeia alimentar têm um papel em tornar os alimentos seguros, começando com produtores e processadores e mudando para distribuidores, reguladores de segurança alimentar, varejistas e, eventualmente, servidores e consumidores”, ela enfatiza.

Nos últimos anos, a OMS tem aumentado seu apoio aos países da África para fortalecer a vigilância de doenças transmitidas por alimentos baseada em laboratório e construir capacidade nacional para prevenir, detectar e responder a emergências de segurança alimentar.

Leia também: A busca de novos paradigmas na agricultura


Troca de experiências entre Brasil e África

A Segurança Alimentar é o tema central do Fórum Brasil África 2019, um dos principais eventos para o fortalecimento das relações entre o Brasil e o continente africano.

Cerca de 300 representantes de governos, setor privado, acadêmicos e potenciais investidores trocarão experiências, discutirão oportunidades de valor e promoverão o conhecimento.

O presidente do Banco Africano de Importação e Exportação (Afreximbank), Benedict Oramah, o diretor do Centro de Excelência em Combate à Fome do Programa Mundial de Alimentos, Daniel Balaban, e o diretor de práticas globais e agricultura do Banco Mundial, Simeon Ehui, estão entre os nomes já confirmados como alto-falantes.

“Brazil Africa Forum 2019 – Segurança Alimentar: caminho para o crescimento econômico“, será realizado nos dias 12 e 13 de novembro no Sheraton WTC em São Paulo, Brasil. Mais informações no site https://forumbrazilafrica.com.



Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.

Centro de Excelência da ONU participa de convocação global contra a fome na Etiópa

O diretor adjunto do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos das...

Morre o pesquisador Fernando Arenas, referência em estudos culturais sobre África Lusófona

Oito anos depois de ser publicado nos Estados Unidos, o livro "África Lusófona – Além da Independência" recebe uma edição traduzida para o português. A obra foi escrita pelo prof