Dicionário da Língua Gestual Cabo-verdiana tem ajuda brasileira

Fruto da cooperação técnica realizada com o Brasil, os educadores de Cabo  Verde comemoram o lançamento do 1º Dicionário de Língua Gestual de Cabo-verdiana. Considerado histórico, o documento pretende promover a unificação da língua gestual dos alunos surdos em todo o país, além de servir como um instrumento de alfabetização e ferramenta de trabalho para os professores do país. 

Produto final de um importante projeto de cooperação técnica chamado “Escola de Todos – Fase 2”, o dicionário foi coordenado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e implementado tecnicamente pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pelo governo de Cabo Verde. 

Por mais de dez anos, o projeto desenvolveu diversas ações para promover a inclusão de pessoas com deficiências nos sistemas de ensino cabo-verdianos e o lançamento do dicionário é considerado o ápice do projeto.

“Esse é um projeto que abarca, fundamentalmente, duas áreas: a educação e a inclusão. E ele está, inclusive, totalmente alinhado com o nosso objetivo de não deixar ninguém para trás”, afirma o Secretário de Estado Adjunto da Educação, Amadeu Cruz.  “Esse dicionário contribuirá para que agora a comunidade surda tenha muito mais meios de fazer parte, efetivamente, da nossa sociedade. A comunidade surda terá acesso a mais oportunidades, ampliará seus rendimentos e terá uma vida mais digna”.

“O registro da língua traz dignidade, reconhecimento e pertencimento”.

Como Cabo Verde é um país composto por várias ilhas, existem diferenças nos gestos utilizados pelas comunidades surdas em cada uma das ilhas. A pesquisa e metodologia utilizada para o desenvolvimento do dicionário levou isso em consideração. Pesquisadores da UFSM visitaram as ilhas, filmaram os diversos gestos e, na volta ao Brasil, desenvolveram uma metodologia de identificação do significado e atribuição gráfica dos gestos. O dicionário passou por um total de 17 revisões e validações, pelos parceiros cabo-verdianos, até chegar à sua versão final. O registro atual deverá ser ajustado ao longo do tempo.

Amadeu Cruz (direita) com a equipe

“O registro da língua traz dignidade, reconhecimento e pertencimento. O diferencial do ser humano, quanto aos outros animais é, justamente, a língua. E esse dicionário é a expressão da língua usada pela comunidade surda de Cabo Verde. É uma honra e privilégio, para a ABC, fazer parte desse momento histórico”, relata  Anna Perez, responsável pelos projetos de cooperação técnica da ABC com Cabo Verde.

“Nosso projeto contribuiu não só para formar sociedades mais inclusivas, mas também espaços escolares mais inclusivos e professores mais qualificados para lidar com alunos com deficiências”, avalia Ana Claudia Pavão, coordenadora do projeto pela UFSM e integrante do projeto desde o início.

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.