Egiptologia em destaque no Museu Nacional do Brasil

Pelo sétimo ano consecutivo o Museu Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro, promove a Semana de Egiptologia. O evento deste ano é marcado pelos esforços em manter ativo o acervo do museu após o incêndio que o atingiu em 02 de setembro de 2018. “É uma forma de mostrar que a gente continua a trabalhar com egiptologia. Muita gente falava que agora acabou a egiptologia no Brasil. A egiptologia continua firme e forte. Sofremos um baque, mas continuamos. Resistimos”, declarou à Agência de Notícias Brasil Árabe (ANBA) Pedro Von Seehausen, doutorando em Arqueologia pelo Museu Nacional/UFRJ e um dos organizadores da Semana de Egiptologia.

A instituição vai expor no evento 11 peças egípcias que sobreviveram ao incêndio.vAté agora, mais de 300 peças relacionadas ao Egito já foram resgatadas. “Continuamos com a maior coleção de egiptologia do Brasil”, destacou Von Seehausen. Entre elas, está o escaravelho-coração da Sha Amun En Su. “Talvez seja essa seja uma das peças principais, porque nunca foi exposta ao público. Era o amuleto da Sha Amun En Su. O sarcófago estava fechado por 2.700 anos. Sabíamos da existência dele graças a uma tomografia. Quando houve o incêndio, fizemos um trabalho de pesquisa para conseguir encontrar o escaravelho junto com os outros oito amuletos”, revelou o pesquisador.

Pedro Von Seehausen (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Uma das peças que já faziam parte do acervo era uma múmia de 2 mil anos, que havia sido comprada por D. Pedro I. Conhecida como Múmia Romana, ela se perdeu no incêndio, mas com base em uma tomografia foi possível recriá-la em realidade virtual. A exibição da múmia será feita em parceria com o Instituto de Matemática Pura e Aplicada do Rio de Janeiro.E

Além das exibições, a Semana de Egiptologia terá uma grade de palestras e debates. Entre os pesquisadores que se apresentarão estão brasileiros e argentinos de diferentes instituições, incluindo o doutor Ivan Guermeur, da École Pratique des Hautes Études, de Paris, e a professora doutora Isabelle Régen, também da França, responsável pelas escavações de uma das maiores tumbas do Egito.

Para realizar o evento, o museu contou com apoio financeiro da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para conseguir trazer pesquisadores brasileiros, argentinos e franceses.

Eescaravelho-coração da Sha Amun En Su

O evento, que teve início na última segunda-feira (30) segue até 04 de outubro. A Semana está sendo realizada no auditório do Horto Botânico, prédio anexo ao Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, Rio de Janeiro. O local já estava aberto à visitação do público, mas essa é a primeira vez que a imprensa terá acesso desde o incêndio.


Mais informações no site https://seshat.museunacional.ufrj.br/semna/

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

Rio de Janeiro terá exposição de Arte Iorubá

A Casa de Herança Oduduwa recebe a partir do mês de Agosto uma exposição de peças milenares da cultura iorubá. A mostra de arte...