Explorando o potencial de parcerias para o desenvolvimento

Economias em desenvolvimento enfrentam muitos desafios, mas abrigam imensas oportunidades, não importao grau de desenvolvimento do país. Em geral, os desafios recebem maior atenção nos debates acadêmicos e políticos. Precisamos focar mais nas oportunidades porque o seu aproveitamento é fundamental para a superação dos desafios.

Os governos precisam fomentar um ambiente favorável para a ampliação de oportunidades para alimentar a confiança do setor privado e gerar negócios, investimentos e empregos. As instituições multilaterais, por sua vez, precisam continuar a aperfeiçoar o apoio técnico e o financiamento ao desenvolvimento. Nesse contexto, há vastas possibilidades para se ampliar o compartilhamento do conhecimento e os negócios e investimentos entre o Brasil e a África. O Banco Africano de Desenvolvimento oferece uma plataforma propícia para intensificar o compartilhamento de conhecimento entre a África e países em desenvolvimento de outras regiões, incluindo o Brasil. Nesse sentido, em 2011, o Brasil estabeleceu junto ao Banco um Fundo de Cooperação Sul-Sul para o qual doou US$ 6 milhões. Existem oportunidades para se fortalecer a cooperação bilateral, especialmente em áreas em que o Brasil tem experiências positivas, como agricultura, tanto de larga escala quanto familiar, programas de proteção social e sistemas de gestão pública, como o sistema do orçamento nacional.

Há, também, muitas oportunidades de negócios a se explorar, a começar pelo comércio entre o Brasil e os países africanos, que se mantém relativamente baixo. O aperfeiçoamento de instrumentos de financiamento e garantias e a promoção de conexões entre os setores privados dos dois lados do Atlântico podem e devem contribuir para a expansão das relações comerciais. As perspectivas para investimentos diretos também são amplas. Isso inclui investimentos greenfield e aquisições e oportunidades de internacionalização de empresas. Em geral, o setor privado do Brasil e dos países africanos têm foco doméstico, o que faz com que se deixe de valorizar oportunidades de expansão que, se aproveitadas, podem ser mutuamente benéficas. Em suma, há perspectivas muito positivas para que o Brasil e a África se apoiem nas suas trajetórias de desenvolvimento. Fomentar ambientes cada vez mais propícios para o florescimento de oportunidades e trabalhar em conjunto para ampliar as pontes de conhecimento e as relações econômicas entre o Brasil e a África são partes inerentes desta agenda.

“HÁ PERSPECTIVAS MUITO POSITIVAS PARA QUE BRASIL E ÁFRICA SE APOIEM NAS SUAS TRAJETÓRIAS DE DESENVOLVIMENTO”

 

* Colaboração de Rafael Ranieri, Coordenador da Política de Organizações Internacionais no Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

Top 5

A Liderança para a “África que Queremos”

À medida que o continente africano foi-se desenvolvendo e os africanos  ganhando mais conhecimentos em várias áreas do saber, estes rapidamente...

A voz feminista negra de Stephanie Ribeiro

Stephanie Ribeiro era ainda estudante de arquitetura quando seus textos começaram a viralizar na internet. Em uma universidade com maioria branca ela achou no feminismo negro e na escrita um lugar de acolhimento e luta. Logo várias mulheres se identificaram com o que Stephanie tinha a dizer e a escritora se tornou uma das vozes mais expressivas do ativismo brasileiro.

Nollywood: Luz, câmera, e muita ação!

Primeiro lugar na quantidade de filmes e o terceiro maior faturamento do mundo, Nollywood, como é chamada a indústria cinematográfica da Nigéria, emprega mais...

Uma missão: levar amor e fé a Cabo Verde

Diego Paulo, de 31 anos, partiu do Brasil em 2014 com mais três amigos para Cabo Verde. Seu intuito era conhecer mais da cultura, apreender o crioulo cabo-verdiano, e identificar comunidades e áreas que poderia ajudar. A viagem foi mais um passo depois de um longo período de planejamento da organização cristã Missão Vida em Foco.

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.