Brazil Africa Forum

FAO pede mais investimento em resiliência à mudanças climáticas

Os setores de alimentos e agricultura da África estão entre os mais vulneráveis ​​aos impactos negativos das mudanças climáticas, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Os pequenos agricultores, pequenos empresários e suas famílias, cuja subsistência depende da agricultura irrigada pela chuva, são os mais ameaçados pelo problema. E a melhor forma de lidar com esses desafios, segundo a agência, é aumentar a resiliência das pessoas. Para a FAO, a resiliência contra múltiplas ameaças, incluindo as mudançlimáticas, é um pré-requisito fundamental para o desenvolvimento sustentável, em particular diante do desafio de alimentar mais de 2 bilhões de africanos até 2050.

Fazendeiros em Quênia/Foto:Peter Kapuscinski / World Bank

“Os agricultores sempre foram inovadores. O que eles precisam são políticas que os protejam e aumentem sua resiliência à mudança climática. Eles precisam de acesso à informação, tecnologia e investimento, e devem ser levados à conversa sobre inovação”, afirma a vice-diretora da FAO, Geral Maria Helena Semedo.  De acordo com os dados mais recentes da FAO, a fome está aumentando em quase todas as sub-regiões africanas e a desnutrição chega a quase 20%, tornando a África a região com maior prevalência. 

Essa situação é impulsionada principalmente por conflitos e pelas mudanças climáticas e é especialmente crítica na África Oriental. Cerca de 30,8% de habitantes dessa sub-região, ou 133 milhões de pessoas, têm dificuldades para ter o suficiente para comer.

Na segunda-feira, foi endossado um compromisso para apoiar melhor os países africanos para que assim, se acelere o progresso em direção à melhoria da segurança alimentar. Baseadas nas discussões ocorridas na conferência foi constatado que é possível se adaptar a esses riscos com ações imediatas e ousadas voltadas para a resiliência.

O encontro de dois dias, reuniu na cidade de  Kigali na Ruanda, cerca de 250 pessoas, entre representantes da FAO, da Comissão da União Africana, do Banco Africano de Desenvolvimento, do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola e do Banco Mundial. O objetivo desse encontro é facilitar o engajamento entre os governos e os principais parceiros de desenvolvimento para estimular uma ação unificada para a agricultura e os sistemas alimentares da África em resposta às mudanças climáticas.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.

Centro de Excelência da ONU participa de convocação global contra a fome na Etiópa

O diretor adjunto do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos das...

Morre o pesquisador Fernando Arenas, referência em estudos culturais sobre África Lusófona

Oito anos depois de ser publicado nos Estados Unidos, o livro "África Lusófona – Além da Independência" recebe uma edição traduzida para o português. A obra foi escrita pelo prof