Brazil Africa Forum

FIOCRUZ e UNFPA definem prioridades de parceria em direitos da mulher

Os direitos das mulheres na África, América Latina e Caribe foram pauta de discussão entre representantes da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e de ministérios e institutos de saúde de países africanos. A prioridade do grupo reduzir a morte materna e garantir o desenvolvimento sustentável com equidade.

Os representantes das entidades e órgãos governamentais reuniram-se na semana passada na sede da Fiocruz no Rio de Janeiro para definir prioridades de temas e estratégias para os próximos cinco anos da parceria. As instituições assinaram um acordo em julho e esta foi a segunda oficina de planejamento para concretização das ações.

“Gostaria de reforçar meu compromisso institucional com essa agenda do UNFPA, que é pensar os direitos na perspectiva das populações. No caso específico dessa oficina, os direitos da mulher, para a qual temos um instituto dedicado”, disse a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, em referência ao Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueiras, ligado à fundação.

Zero mortes maternas

Na primeira oficina, realizada em agosto, já havia sido definida como prioridade da parceria a redução das mortes maternas evitáveis a zero até 2030 nos países participantes.

Nenhuma mulher deveria morrer simplesmente por dar à luz”, declarou o assessor sênior para cooperação entre países do UNFPA, Bobby Olarte, ao falar do objetivo da parceria. Ele explicou que o centro busca aproveitar o conhecimento da FIOCRUZ na área, através da experiência do IFF-FIOCRUZ, para apoiar os países. A proposta do UNFPA passa por identificar centros de excelência no mundo e oferecer apoio técnico para criação de redes.

Para atingir seu objetivo a estratégia pretende criar um Centro de Referência em Saúde Materna. O propósito é fazer análises e aumentar a capacidade dos países, através da troca de experiências proporcionada pela cooperação triangular entre FIOCRUZ, países de América Latina e Caribe e africanos e UNFPA.

A escolha pelo desafio da redução da mortalidade materna vem tanto da necessidade dos países, como da observação das competências da FIOCRUZ. Além disso, esse resultado está de acordo com a estratégia dos três zeros para aceleração da implementação do programa de ação da Conferência sobre População e Desenvolvimento (CIPD): zero necessidade insatisfeitas de contracepção, zero mortes maternas evitáveis e zero situações de violência contra mulheres e meninas.

Contextos em África, América Latina e Caribe

Os países presentes apresentam contextos muito distintos. Enquanto Cabo Verde, por exemplo, é uma referência na área de saúde da mulher, Guiné-Bissau apresenta desafios de infraestrutura de saúde e uma altíssima mortalidade materna, com 746 mortes por 100 mil mulheres. Na reunião, representantes de Angola, São Tomé e Príncipe, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Senegal apresentaram os cenários nacionais e desafios para a redução das mortes maternas.

Reunião entre UNFPA, Fiocruz e instituições de saúde de países africanos traça estratégicas de atuação conjunta (Foto: Fiocruz/Peter Ilicciev)

A representante interina escritório do Brasil do UNFPA, Junia Quiroga, apresentou os dados e desafios da América Latina e Caribe. O alto número de cesáreas, a gravidez na adolescência e a alta medicalização da atenção à saúde materna estão entre os principais desafios da região.

“Temos uma média de idade para a primeira relação muito jovem em toda a América Latina e Caribe e somos a segunda região do mundo com a taxa de fecundidade adolescente mais alta”, apresentou Junia, ao reforçar a necessidade de se focar em populações jovens.

Para enfrentar essas questões, a parceria identificou como área de cooperação a formação de pessoal; a construção e fortalecimento sistemas de informação, vigilância e monitoramento; a pesquisa; e a promoção da participação comunitária.

Apesar dos desafios, para a representante do UNFPA, a parceria tem se mostrado muito promissora, com o empenho de especialistas e instituições envolvidas. “Velocidade, agilidade e engajamento têm sido características importantes dessa cooperação”, afirmou.

Agenda de Desenvolvimento e Equidade

A Conferência sobre População e Desenvolvimento (CIPD) das Nações Unidas, realizada no Cairo em 1994, resultou na elaboração de uma agenda apontando um compromisso comum para o alcance do desenvolvimento sustentável com equidade para todas e todos por meio da promoção dos direitos humanos e da dignidade, apoio ao planejamento familiar, saúde sexual e reprodutiva e direitos, promoção da igualdade de gênero, promoção da igualdade de acesso à educação para as meninas e eliminação da violência contra as mulheres, entre outros.

Como marco dos 25 anos desta agenda, uma cúpula será realizada em Nairóbi, no Quênia, de 12 a 14 de novembro. A presidente da FIOCRUZ estará presente no evento e levará os resultados e compromissos das duas oficinas já realizadas pela parceria UNFPA e FIOCRUZ.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

Morre o pesquisador Fernando Arenas, referência em estudos culturais sobre África Lusófona

Oito anos depois de ser publicado nos Estados Unidos, o livro "África Lusófona – Além da Independência" recebe uma edição traduzida para o português. A obra foi escrita pelo prof

Museu egípicio é inaugurado no Rio Grande do Sul

O museu egípcio com o maior acervo da América Latina é inaugurado, essa semana, no Rio Grande do Sul. Localizado na cidade de Canela, o museu sediará uma exposição permanente de peças egípcias. Além disso conta com uma loja de produtos que remetem à cultura e a história do antigo Egito com peças produzidas por artistas do país.

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...