Liderança brasileira inspira produtores africanos de Café

A queda do preço das sacas de café tem desafiado o setor no ano de 2019. O impacto está sendo sentido tanto pelos produtores africanos como os produtores do Brasil, referência neste mercado, que é considerado um dos mais tradicionais do mundo. Além de maior exportador, é Brasil também o maior produtor de grãos da bebida e o segundo maior consumidor em números absolutos. Vietnã, Colômbia, Indonésia e Etiópia fecham o top-5 de maiores exportadores mundiais.

Embora a safra brasileira venha crescendo, os lucros não tem acompanhado de forma proporcional. Segundo dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), o volume de exportações do Brasil, só em abril deste ano, foi 25% maior que em 2018. O valor, de US$ 370 milhões, no entanto, só representa crescimento de 1% no mesmo período.

Um dos principais motivos para isso está na redução dos preços da saca de café, que começou 2019 custando R$ 389. Para efeito de comparação, em 2017 o preço chegou a ser de R$ 500. Essa queda é justificada pela safra recorde brasileira em 2018, que registrou um aumento de 37% e gerou um aumento na oferta.

A realidade do mercado africano de café

A participação dos países africanos no mercado internacional do café reduziu bastante desde os anos 70, quando chegou a representar 32% do mercado global. Nos dias atuais, a África participa de apenas 10% do market share, de acordo com a Organização Internacional do Café. Um dos motivos para esta queda na participação global está na concorrência com os países asiáticos, como Vietnã, Indonésia e Índia.

Além disso, a mudança na preferência do consumidor também afetou a produção africana. Anteriormente, a expertise do continente era voltada para a produção de café Robusta, um tipo mais amargo, mais barato e com mais cafeína.  Atualmente o mercado prefere o café do tipo Arábica, de maior qualidade. A Etiópia lidera a produção desse tipo de café no continente, com 17 milhões de sacas anuais.

Para o presidente da Organização Internacional do Café, o brasileiro José Dauster Sette, a realidade do Brasil, na posição de maior produtor e exportador de café, pode servir de exemplo para o continente africanos em três áreas: “Na capacitação das entidades de cafeicultores pode reduzir o custo do fornecimento dos serviços de extensão por meio da agregação, na melhoria da eficiência do setor produtivo através do aumento da produtividade e da lucratividade, e no desenvolvimento dos mercados consumidores domésticos para melhor sustentar os preços pagos aos produtores e aumentar sua resiliência à volatilidade dos preços internacionais”.

Embora existam boas expectativas para o aumento da produção nos próximos anos, a situação no continente ainda requer atenção. “A questão não é apenas aplicar tecnologia dentro da fazenda. É preciso também ver a realidade fora da fazenda [no mercado]. É essa questão que muita gente não entende na África. Acreditam que é só aplicar uma tecnologia brasileira. Isso pode dar certo enquanto tiver ajuda, depois volta a ser o que era. É preciso ser feita uma mudança estrutural”, argumenta Carlos Brando, presidente do conselho mundial da Plataforma Global do Café.

Como aumentar o consumo?

Um dos principais desafios para o mercado de café na África está no baixo consumo. Segundo dados da Organização Internacional do Café, o consumo da bebida no continente ainda está bem abaixo do resto do mundo. Além disso, nenhum país africano na lista de maiores consumidores per capita de café.

Segundo a African Fine Coffee Association (AFCA), o aumento do consumo interno é vital para transformar a cadeia local, além de contribuir para o equilíbrio entre oferta e demanda. Para a instituição, o consumo doméstico se apresenta como uma saída de mercado, pois aumenta a conscientização do produtor sobre as demandas, fortalece o setor privado nacional e oferece uma experiência vital para a eventual exportação de produtos de valor agregado.

Um dos caminhos para este aumento do consumo tem sido o investimento em cafés especiais, que, com técnicas diferenciadas de produção, promovem novas experiências e sabores. A demanda tem crescido por todo o mundo. Além disto, de acordo com a AFCA, os cafés especiais podem apresentar vantagens financeiras para os pequenos produtores.

Novo Acordo Internacional do Café

Durante encontro do Conselho Internacional do Café – que aconteceu no último dia 29 de março em Nairóbi, no Quênia –, o Brasil foi escolhido para presidir as negociações acerca do novo Acordo Internacional do Café, que entrará em vigor a partir de 2021. O acordo vigente, de 2007, foi desenvolvido com objetivo de facilitar o comércio internacional, além de fortalecer o papel da OIC comum um ambiente consultivo.

Segundo José Dauster Sette, das OIC, o Brasil está encabeçando um grupo de trabalho, que foi constituído para examinar as propostas de membros acerca da atualização do Acordo, levando em consideração a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU. “Estamos no começo um longo processo de negociação que deve concluir com a celebração de um novo Acordo em 2021, o qual deverá entrar em vigor algum tempo depois, após a ratificação do convênio pelos diferentes parlamentos nacionais”, explica.

LEIA TAMBÉM: Tecnologia: o novo motor para a agricultura e o combate à fome

Para o governo brasileiro, a escolha se deu devido ao café brasileiro ser “referência em sustentabilidade mundial, graças a leis que asseguram a preservação da biodiversidade e os direitos de quem trabalha na lavoura e na indústria cafeeira”.

“Além da reconhecida competência e qualidade da diplomacia brasileira, o Brasil é credenciado a exercer um papel de liderança nessas negociações por ser o maior produtor, maior exportador e segundo maior consumidor mundial de café”, finalizou Dauster Sette.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...