Mecanização: soluções brasileiras para a segurança alimentar na África

“The Lion Kings”, “The Last Frontier”, entre outros títulos, marcaram artigos e reportagens nos principais meios de comunicação para retratar um novo momento do Continente Africano que na sua diversidade e complexidade é palco de uma nova realidade, ainda desconhecida para muitos. Alguns players internacionais participam deste processo, com destaque para a China, para os Estados Unidos e, para alguns países europeus, seja como doadores que como investidores. O Brasil tem e deveria ter cada vez mais um papel diferenciado na construção desta realidade! Transcendendo os aspectos culturais e considerando as similaridades da Savana Africana com o Cerrado Brasileiro, foi possível transferir a tecnologia do plantio direto, em que a FAO teve um papel relevante, impulsionando a participação da nossa indústria de máquinas e equipamentos para um aumento da produtividade e da eficiência da agricultura local. A presença brasileira se destaca também pelo importante trabalho da Embrapa no Mid North que engloba países como Gana, Tanzânia, Uganda, Camarões e Etiópia, assim como do “Programa Mais Alimentos”, que levou muitas empresas brasileiras para países como Gana, Moçambique e Senegal. Motivados por esta nova realidade e, pelo tremendo potencial deste “amazing continent”, desenhamos o “Projeto África” para a Abimaq, com o objetivo de desenvolver ações sistemáticas e efetivas para consolidar a presença brasileira, agregando valor ao setor agropecuário africano. A tecnologia brasileira está sendo levada para o campo africano desde o preparo de solo ao armazenamento de grãos, passando pelo plantio e pela proteção de cultivos, além do processamento de café e de leite, de forma a abranger toda a cadeia produtiva alimentar. E assim, da mesma forma que a Embrapa contribuiu e contribui com a pesquisa cientifica em prol dos cultivos, a Abimaq, através das câmaras setoriais, pode contribuir em muito para um aumento da produtividade e da qualidade da produção, baseado no princípio da sustentabilidade. Podemos assim fazer a diferença! Além de temos tecnologias adequadas para o setor agropecuário,podemos treinar produtores nas boas práticas agrícolas e, no melhor uso dos equipamentos, com a garantia de uma assistência pós- -venda responsável e permanente. Nossos laços, portanto, agregados à nossa experiência, conhecimento e modo de ser, permitem que realizemos um trabalho diferenciado para contribuir com a “Segurança Alimentar” e, para a produção de energias renováveis em um segundo estágio. Vamos poder então agradecer também à nossa “mãe África” pelo que ela foi, representa, e será para o futuro do Brasil!

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...