Mecanização: soluções brasileiras para a segurança alimentar na África

“The Lion Kings”, “The Last Frontier”, entre outros títulos, marcaram artigos e reportagens nos principais meios de comunicação para retratar um novo momento do Continente Africano que na sua diversidade e complexidade é palco de uma nova realidade, ainda desconhecida para muitos. Alguns players internacionais participam deste processo, com destaque para a China, para os Estados Unidos e, para alguns países europeus, seja como doadores que como investidores. O Brasil tem e deveria ter cada vez mais um papel diferenciado na construção desta realidade! Transcendendo os aspectos culturais e considerando as similaridades da Savana Africana com o Cerrado Brasileiro, foi possível transferir a tecnologia do plantio direto, em que a FAO teve um papel relevante, impulsionando a participação da nossa indústria de máquinas e equipamentos para um aumento da produtividade e da eficiência da agricultura local. A presença brasileira se destaca também pelo importante trabalho da Embrapa no Mid North que engloba países como Gana, Tanzânia, Uganda, Camarões e Etiópia, assim como do “Programa Mais Alimentos”, que levou muitas empresas brasileiras para países como Gana, Moçambique e Senegal. Motivados por esta nova realidade e, pelo tremendo potencial deste “amazing continent”, desenhamos o “Projeto África” para a Abimaq, com o objetivo de desenvolver ações sistemáticas e efetivas para consolidar a presença brasileira, agregando valor ao setor agropecuário africano. A tecnologia brasileira está sendo levada para o campo africano desde o preparo de solo ao armazenamento de grãos, passando pelo plantio e pela proteção de cultivos, além do processamento de café e de leite, de forma a abranger toda a cadeia produtiva alimentar. E assim, da mesma forma que a Embrapa contribuiu e contribui com a pesquisa cientifica em prol dos cultivos, a Abimaq, através das câmaras setoriais, pode contribuir em muito para um aumento da produtividade e da qualidade da produção, baseado no princípio da sustentabilidade. Podemos assim fazer a diferença! Além de temos tecnologias adequadas para o setor agropecuário,podemos treinar produtores nas boas práticas agrícolas e, no melhor uso dos equipamentos, com a garantia de uma assistência pós- -venda responsável e permanente. Nossos laços, portanto, agregados à nossa experiência, conhecimento e modo de ser, permitem que realizemos um trabalho diferenciado para contribuir com a “Segurança Alimentar” e, para a produção de energias renováveis em um segundo estágio. Vamos poder então agradecer também à nossa “mãe África” pelo que ela foi, representa, e será para o futuro do Brasil!

Top 5

A voz feminista negra de Stephanie Ribeiro

Stephanie Ribeiro era ainda estudante de arquitetura quando seus textos começaram a viralizar na internet. Em uma universidade com maioria branca ela achou no feminismo negro e na escrita um lugar de acolhimento e luta. Logo várias mulheres se identificaram com o que Stephanie tinha a dizer e a escritora se tornou uma das vozes mais expressivas do ativismo brasileiro.

A Liderança para a “África que Queremos”

À medida que o continente africano foi-se desenvolvendo e os africanos  ganhando mais conhecimentos em várias áreas do saber, estes rapidamente...

Uma missão: levar amor e fé a Cabo Verde

Diego Paulo, de 31 anos, partiu do Brasil em 2014 com mais três amigos para Cabo Verde. Seu intuito era conhecer mais da cultura, apreender o crioulo cabo-verdiano, e identificar comunidades e áreas que poderia ajudar. A viagem foi mais um passo depois de um longo período de planejamento da organização cristã Missão Vida em Foco.

Nollywood: Luz, câmera, e muita ação!

Primeiro lugar na quantidade de filmes e o terceiro maior faturamento do mundo, Nollywood, como é chamada a indústria cinematográfica da Nigéria, emprega mais...

Brasil e Nigéria juntos pela agricultura

Olhar para a África significa olhar para o futuro. O continente é casa de nações com desejo de se modernizarem. Foi pensando nisso que...