Brazil Africa Forum

Ministros Africanos endossam plano para combater doenças transmitidas por vetores

Com os países da África sofrendo aumento de casos e mortes devido à malária e outras doenças transmitidas por vetores, 47 ministros da saúde endossaram um plano, na forma de uma Estrutura de Implementação da Resposta Global de Controle de Vetores.

O plano contém 10 prioridades para reduzir a quantidade e a ameaça de doenças transmitidas por vetores na região através de práticas locais adaptadas e sustentáveis.

Embora os impactos das mudanças climáticas tenham ajudado a expandir os ambientes favoráveis ​​aos vetores, o pacote anterior de abordagens para prevenção e eliminação dessas doenças, não priorizou as intervenções de controle de vetores. Isto foi em grande parte devido a lacunas de recursos humanos, técnicos e de infra-estrutura na vigilância e pesquisa sobre o caso.

 “Na extraordinária pressão para melhorar o acesso a serviços de gerenciamento de casos de doenças transmitidas por vetores e reduzir a transmissão de doenças através de intervenções de proteção, perdemos a vigilância e a pesquisa de doenças”, disse a Dra. Matshidiso Moeti, Diretor Regional da OMS para África durante a 69ª sessão do Comitê Regional da OMS para a África, que está sendo realizado em Brazzaville, República do Congo. Ela lembrou que o controle eficaz de vetores, juntamente com um diagnóstico mais forte e o gerenciamento de casos, reduziu os casos de malária e as mortes na Região Africana da OMS entre 2000 e 2015.

As prioridades da estrutura levam em consideração os alarmantes desafios da resistência a inseticidas, os novos comportamentos dos mosquitos, os riscos ambientais (urbanização não planejada), os pontos fracos do sistema de saúde, o fraco monitoramento entomológico e as evidências para a tomada de decisões, além do esgotamento dos recursos internos para sustentar intervenções e colaboração.

A região africana, de acordo com a OMS, tem uma carga preocupante de doenças transmitidas por vetores, principalmente malária, febre amarela, chikungunya, dengue e esquistossomose. Embora o risco de transmissão da doença pelo zika vírus continue alto, informações sobre a incidência e tendências da doença são limitadas. Os 10 Estados-Membros da OMS com o fardo mais elevado da malária relataram uma estimativa de 3,5 milhões de casos a mais de malária em 2017 do que no ano anterior. Mais de 440 milhões de pessoas correm o risco de ter febre amarela na região, apesar da disponibilidade de uma vacina e melhoria da vigilância.


Em resposta à crescente ameaça de doenças transmitidas por vetores, a Assembléia Mundial da Saúde adotou uma resolução em maio de 2017 sobre a estratégia global de controle de vetores de 2017 a 2030 para fortalecer a gestão de vetores através do aumento de capacidade, melhor vigilância, melhor coordenação e ações integradas entre setores e doenças.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

Morre o pesquisador Fernando Arenas, referência em estudos culturais sobre África Lusófona

Oito anos depois de ser publicado nos Estados Unidos, o livro "África Lusófona – Além da Independência" recebe uma edição traduzida para o português. A obra foi escrita pelo prof

Museu egípicio é inaugurado no Rio Grande do Sul

O museu egípcio com o maior acervo da América Latina é inaugurado, essa semana, no Rio Grande do Sul. Localizado na cidade de Canela, o museu sediará uma exposição permanente de peças egípcias. Além disso conta com uma loja de produtos que remetem à cultura e a história do antigo Egito com peças produzidas por artistas do país.

Centro de Excelência da ONU participa de convocação global contra a fome na Etiópa

O diretor adjunto do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos das...