Na África, elefantes ajudam no estoque de carbono nas florestas

Ameaçado de extinção, o elefante africano da floresta desempenha um papel de grande importância na biodiversidade africana. Um estudo internacional com participação de pesquisadores brasileiros concluiu que o animal promove mudanças na estrutura florestal e contribui para aumentar o armazenamento de carbono.

Normalmente tratado como um animal “jardineiro”, justamente por se alimentar e deixar sementes de diversas árvores pelas florestas, ainda não se haviam estudos  sobre todos os impactos da ação destes elefantes pelas florestas africanas.

De acordo com a pesquisadora Simone Aparecida Vieira, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o que chamava a atenção era que as florestas tropicais da África Central têm estoques de carbono maiores do que os da Floresta Amazônica, mesmo em condições climáticas e de solo semelhantes.

“Observamos que a presença do elefante em uma densidade de 0,5 a 1 animal por quilômetro quadrado aumenta a biomassa acima do solo em 26 a 60 toneladas por hectare da floresta. Os resultados sustentam a hipótese de que a presença deles pode ter moldado a estrutura das florestas tropicais da África e que, provavelmente, desempenhou um papel importante para diferenciá-las das florestas tropicais da Amazônia”, explica a pesquisadora.

Como é a ação do elefante?

Além de se alimentar dos frutos, o elefante pode se coçar, atropelar ou mesmo derrubar  árvores localizadas próximas às trilhas que utiliza para cruzar a floresta. Essa ação reduz a densidade das mesmas ao longo do tempo.

A diminuição da densidade de árvores alivia a competição por água, luz e espaço entre elas, além de favorecer o surgimento de árvores maiores, com maior diâmetro e densidade de madeira e, consequentemente, mais carbono estocado na biomassa. 

Essa mudança na estrutura das florestas tropicais africanas e na composição das espécies de árvores influenciada pelo animal também aumenta, em longo prazo, o equilíbrio da biomassa acima do solo, apontou o estudo. “A presença de elefantes nas florestas tropicais da África Central pode ter contribuído para explicar essas diferenças em relação à Amazônia em longos períodos de tempo”, contextualizou Simone Vieira.

Como o estudo foi conduzido?

Os pesquisadores envolvidos no estudo fizeram uso de um modelo computacional de dinâmica de ecossistemas (ED2 model). Capaz de rastrear a dinâmica da estrutura e da função do ecossistema em escala fina, o modelo simula a heterogeneidade horizontal e vertical da vegetação na sucessão florestal e, a longo prazo, a competição das plantas por recursos que levam à mortalidade. Além disso, analisa como eventos casuais de perturbação, como a presença de elefantes, podem influenciar a estrutura da floresta no curto, médio e longo prazo.

Após coletados, os dados foram comparados com duas florestas na Bacia do Congo, uma com elefantes, outra sem. Os resultados apontaram que a introdução dos elefantes causa um efeito temporário de redução na concentração de biomassa acima do solo da florestas, em uma escala de 125 a 250 anos, em razão do aumento da mortalidade de pequenas árvores pela ação do animal. O aumento e o sucessivo equilíbrio da concentração de biomassa acima do solo são atingidos entre 250 e mil anos depois da introdução dos animais.

O estudo contou com pesquisadores de universidades italianas, francesas e norte-americanas, além de brasileiros da Unicamp e Embrapa Informática Agropecuária.

Os riscos e o impacto da extinção

Sob ameaça de extinção, os pesquisadores também simularam os riscos da perda do animal. Os dados coletados mostraram que isso resultaria em uma diminuição de 7% da biomassa acima do solo e de até 3 bilhões de toneladas de carbono. A conservação dos elefantes pode reverter essa tendência de queda de serviço de armazenamento de carbono estimado em US$ 43 bilhões, apontam os pesquisadores.

“Nossas simulações sugerem que se a perda de elefantes continuar inabalável, as florestas da África Central podem liberar o equivalente a vários anos de emissões de CO2 de combustíveis fósseis da maioria dos países, potencialmente acelerando a mudança climática”, disse Fabio Berzaghi, pesquisador do Laboratório de Ciências Ambientais e do Clima (CEA), da França, e principal autor do estudo, em comunicado da instituição.

A população de elefantes da floresta caiu dramaticamente desde a colonização da África Ocidental, pelos europeus, quando os animais passaram a ser caçados para obtenção de marfim. Hoje, as espécies de elefantes diminuíram para menos de 10% de seu número original.

Com informações de Elton Alisson, da Agência FAPESP

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...