Novos autores africanos confirmados na Bienal do Livro do Ceará

Novos nomes africanos irão compor a programação da XIII Bienal Internacional do Livro do Ceará, que decorrerá entre os dias 16 a 25 de Agosto, em Fortaleza, Ceará. Os autores somam aos palestrantes já anunciados anteriormente para o evento, que conta com a participação de vários escritores do continente africano e do Brasil.

A organização do evento, em parceria com a Universidade Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), realizará durante a Bienal, o Encontro de Oralidades e Escritas em Língua Portuguesa que contará com a presença de três autores africanos: o guineense Abdulai Sila, o moçambicano Aldino Muianga e o angolano Ondjaki.

Os autores africanos

Abdulai Sila é economista, investigador social e engenheiro eletrônico formado pela Universidade de Dresden, na Alemanha. Abdulai é também uma das mais destacadas vozes da literatura guineense contemporânea e iniciador de uma corrente ficcional original, sendo autor do que é considerado o primeiro romance guineense, “Eterna Paixão”.

Aldino Muianga nasceu no bairro da Munhuana, nos arredores da cidade de Maputo. Começou a escrever desde a adolescência, como colaborador no jornal de parede no liceu que frequentava. A sua primeira publicação oficial foi o conto “A vingança de Macandza”, no semanário Tempo, em 1986, sob o pseudônimo Khambira Khambiray.

Ondjaki é prosador e poeta, além de escrever para o cinema e o teatro. Estudou em Luanda onde se licenciou em sociologia, continuando os seus estudos em Lisboa. Fez o doutoramento em estudos africanos na Itália em 2010. Foi laureado pelo Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco em 2007, pelo seu livro “Os da Minha Rua”. Recebeu, na Etiópia, o prémio Grinzane por melhor escritor africano de 2008.

Conexão Brasil-África

O Encontro de Oralidades e Escritas em Língua Portuguesa vai contar ainda com diversos escritores brasileiros, em sua maioria professores de literatura com vasta experiência em literatura africana de língua portuguesa. Entre os nomes confirmados estão, Andrea Muraro, Jo A-mi, Júlio Machado, André Telles do Rosário, Mariana Fujisawa e Rodrigo Ordine Graça.

Além de palestras e lançamentos de obras, o encontro terá apresentações culturais de três grupos culturais, com destaque para o grupo Firkidta Di No Kampada (Vozes d’Africa), um projeto composto por jovens escritores de várias nacionalidades da Unilab e que estão prestes a lançar seu primeiro livro de poesia.

Este ano, a XIII Bienal Internacional do Livro terá como tema principal “As cidades e os livros” e decorrerá no Centro de Eventos do Ceará, localizado na Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza.

Foto principal: Felipe Abud/Secult

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...