O Brasil precisa “voltar” à África

O presidente do Brasil, Michel Temer, precisou de dois anos e dois meses no cargo, desde quando o assumiu com o afastamento de Dilma Rousseff, em 12 de maio de 2016, para fazer sua primeira visita à África. Ele esteve em Cabo Verde, nos dias 17 e 18 de julho, para participar de cúpula da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Escolheu, pelo menos, um evento de relevância para estrear no continente. As relações entre Brasil e África mudaram de maneira drástica desde a interrupção da permanência do Partido dos Trabalhadores (PT) no poder. A bem da verdade, já tinham sofrido uma alteração no ritmo a partir da saída de Luiz Inácio Lula da Silva, que governou entre 2003 e 2010 e fez um conjunto inédito de 33 viagens a países africanos ao longo de todo o mandato presidencial. Dilma, apesar de ser sua correligionária, reduziu bastante a intensidade desta relação, também marcada, na era Lula, pela abertura de 19 embaixadas brasileiras na região.

A viagem de Temer, mesmo que acontecendo tardiamente na perspectiva de brasileiros e africanos, apresenta a importância de lançar luzes sobre a CPLP, bloco que une relevância econômica, social e cultural. Embora nem sempre seja observada em tal perspectiva, o que acaba tolhendo seu potencial de estabelecer aproximação entre comunidades que apresentam o valor imensurável de estarem unidas pelo idioma comum.

A CPLP é composta, além de Brasil e Cabo Verde, também por Angola, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Pelo menos dez países integram o bloco, ainda, como Observadores Associados. São eles: Senegal, Geórgia, Japão, Maurício, Turquia, Namíbia, Eslováquia, Hungria, Uruguai e República Tcheca.

Historicamente, deu-se pouco espaço ao debate sobre a integração econômica entre os países, tema que começa a ganhar mais relevância, conforme ficou demonstrado mesmo na reunião de Cabo Verde, que aconteceu na Ilha do Sal. A presidência rotativa do bloco foi transferida do brasileiro Michel Temer para o presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

 

Top 5

A voz feminista negra de Stephanie Ribeiro

Stephanie Ribeiro era ainda estudante de arquitetura quando seus textos começaram a viralizar na internet. Em uma universidade com maioria branca ela achou no feminismo negro e na escrita um lugar de acolhimento e luta. Logo várias mulheres se identificaram com o que Stephanie tinha a dizer e a escritora se tornou uma das vozes mais expressivas do ativismo brasileiro.

A Liderança para a “África que Queremos”

À medida que o continente africano foi-se desenvolvendo e os africanos  ganhando mais conhecimentos em várias áreas do saber, estes rapidamente...

Grande Museu Egípcio abrirá as portas em 2020

O maior museu arqueológico do mundo deve abrir as portas no primeiro semestre de 2020. O Grande Museu Egípicio (GME) foi anunciado pela primeira vez em 1992 e estava inicialmente programado para abrir em 2012. A novidade deve reanimar uma indústria do turismo atingida por instabilidade política e ataques terroristas e que respondeu por 12% do PIB egípcio em 2018 segundo o World Travel & Tourism Council (WTTC).

Uma missão: levar amor e fé a Cabo Verde

Diego Paulo, de 31 anos, partiu do Brasil em 2014 com mais três amigos para Cabo Verde. Seu intuito era conhecer mais da cultura, apreender o crioulo cabo-verdiano, e identificar comunidades e áreas que poderia ajudar. A viagem foi mais um passo depois de um longo período de planejamento da organização cristã Missão Vida em Foco.

Nelson Mandela em 18 frases marcantes

18 de julho é o dia mundial de Nelson Mandela. Se estivesse vivo, o ex-presidente da África do Sul e ícone...