O dia internacional da África no Brasil

Em 1972 a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Internacional de África, como memória pela luta dos povos do continente africano por sua emancipação e independência. A data escolhida, 25 de Maio, coincide com a criação da Organização da Unidade Africana (OUA) de 1963 em Addis Abeba, Etiópia, órgão de integração regional constituído por representantes de 32 governos de países africanos independentes. O órgão foi sucedido posteriormente pela criação da União Africana de Nações. Promover a unidade e solidariedade entre os estados africanos e defender a soberania, integridade territorial e independência dos estados africanos e erradicar todas as formas de colonialismo da África constituíam pilares da OUA que subsidiam as razões de sua memória em todo mundo, inclusive no território brasileiro. A Constituição brasileira de 1988 elenca como princípios de suas relações internacionais a autodeterminação dos povos e a cooperação entre os povos para o progresso da humanidade, nitidamente orientando um Estado capaz de fomentar solidariedade e prevalência de valores compatíveis com uma África livre. Celebrar o dia 25 de Maio no Brasil já seria suficiente por essas razões, mas na verdade há muito mais entre Brasil e África do que supõe ‘o mar que nos separa’. A história partilhada desde o deslocamento forçado de povos africanos ao Brasil, sua memória, cultura, saberes e conhecimentos se hibridizaram com as culturas dos povos que aqui habitavam. Hoje, mais em pauta do que nunca se discutem os direitos e políticas públicas específicas para os povos afrodescendentes, especialmente quanto ao combate ao racismo, reparação ao povo negro e direito ao exercício de suas manifestações culturais. Neste contexto, esta data deveria servir para celebrar as riquezas trazidas pelo povo africano ao Brasil e servir como base de reflexão para parcerias e cooperações futuras. O dia da África deve trazer a lembrança dos brasileiros uma visão mais otimista e realista sobre o continente africano: a pobreza extrema está em declínio, a renda está crescendo e tem havido avanços importantes contra doenças mortais. Vários países africanos estão entre as economias que mais crescem no mundo, desafiando a recessão global, o que redunda na chegada de mais investidores internacionais ao continente. A trajetória geral da África é clara. Os africanos estão escrevendo uma nova narrativa de sua história.

Top 5

A Liderança para a “África que Queremos”

À medida que o continente africano foi-se desenvolvendo e os africanos  ganhando mais conhecimentos em várias áreas do saber, estes rapidamente...

Grande Museu Egípcio abrirá as portas em 2020

O maior museu arqueológico do mundo deve abrir as portas no primeiro semestre de 2020. O Grande Museu Egípicio (GME) foi anunciado pela primeira vez em 1992 e estava inicialmente programado para abrir em 2012. A novidade deve reanimar uma indústria do turismo atingida por instabilidade política e ataques terroristas e que respondeu por 12% do PIB egípcio em 2018 segundo o World Travel & Tourism Council (WTTC).

A voz feminista negra de Stephanie Ribeiro

Stephanie Ribeiro era ainda estudante de arquitetura quando seus textos começaram a viralizar na internet. Em uma universidade com maioria branca ela achou no feminismo negro e na escrita um lugar de acolhimento e luta. Logo várias mulheres se identificaram com o que Stephanie tinha a dizer e a escritora se tornou uma das vozes mais expressivas do ativismo brasileiro.

Nelson Mandela em 18 frases marcantes

18 de julho é o dia mundial de Nelson Mandela. Se estivesse vivo, o ex-presidente da África do Sul e ícone...

Nollywood: Luz, câmera, e muita ação!

Primeiro lugar na quantidade de filmes e o terceiro maior faturamento do mundo, Nollywood, como é chamada a indústria cinematográfica da Nigéria, emprega mais...