O dia internacional da África no Brasil

Em 1972 a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Internacional de África, como memória pela luta dos povos do continente africano por sua emancipação e independência. A data escolhida, 25 de Maio, coincide com a criação da Organização da Unidade Africana (OUA) de 1963 em Addis Abeba, Etiópia, órgão de integração regional constituído por representantes de 32 governos de países africanos independentes. O órgão foi sucedido posteriormente pela criação da União Africana de Nações. Promover a unidade e solidariedade entre os estados africanos e defender a soberania, integridade territorial e independência dos estados africanos e erradicar todas as formas de colonialismo da África constituíam pilares da OUA que subsidiam as razões de sua memória em todo mundo, inclusive no território brasileiro. A Constituição brasileira de 1988 elenca como princípios de suas relações internacionais a autodeterminação dos povos e a cooperação entre os povos para o progresso da humanidade, nitidamente orientando um Estado capaz de fomentar solidariedade e prevalência de valores compatíveis com uma África livre. Celebrar o dia 25 de Maio no Brasil já seria suficiente por essas razões, mas na verdade há muito mais entre Brasil e África do que supõe ‘o mar que nos separa’. A história partilhada desde o deslocamento forçado de povos africanos ao Brasil, sua memória, cultura, saberes e conhecimentos se hibridizaram com as culturas dos povos que aqui habitavam. Hoje, mais em pauta do que nunca se discutem os direitos e políticas públicas específicas para os povos afrodescendentes, especialmente quanto ao combate ao racismo, reparação ao povo negro e direito ao exercício de suas manifestações culturais. Neste contexto, esta data deveria servir para celebrar as riquezas trazidas pelo povo africano ao Brasil e servir como base de reflexão para parcerias e cooperações futuras. O dia da África deve trazer a lembrança dos brasileiros uma visão mais otimista e realista sobre o continente africano: a pobreza extrema está em declínio, a renda está crescendo e tem havido avanços importantes contra doenças mortais. Vários países africanos estão entre as economias que mais crescem no mundo, desafiando a recessão global, o que redunda na chegada de mais investidores internacionais ao continente. A trajetória geral da África é clara. Os africanos estão escrevendo uma nova narrativa de sua história.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...