Obesidade supera a fome, afirma FAO

Os impactos da mudança climática, alimentos locais limitados devido a recursos terrestres e oceânicos escassos e degradados, mudanças na dieta e alta dependência de alimentos importados – muitas vezes produtos ultraprocessados ​​ricos em sais, açúcares e gorduras – levaram a “extrema alta nos níveis de sobrepeso e obesidade”, alertou Graziano da Silva.

O chefe da FAO fez as declarações aos participantes durante o Fórum Político de Alto Nível de 2019, nesta segunda-feira (15), em Nova York.

De acordo com o Estado de Segurança Alimentar e Nutrição Mundial 2019 (SOFI) lançado no fórum pela FAO, FIDA, UNICEF, PMA e OMS, a obesidade adulta em SIDS é quase 60% maior do que a média global (20,9% versus 13,2 por cento), e em muitas pequenas nações insulares da Polinésia e Micronésia, quase um em cada dois adultos é obeso.

“A crescente dependência da importação de alimentos está relacionada à vulnerabilidade dos sistemas alimentares locais que apóiam dietas mais diversificadas e aos choques relacionados ao clima”, disse Graziano da Silva. 

Combate à obesidade

As últimas estimativas da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), apresentadas na SOFI,  indicam que o número de pessoas obesas no mundo (em torno de 830 milhões) já superou o número de pessoas que sofrem de fome. Hoje, portanto, há mais obesos do que famintos no mundo.

Dados mais recentes mostram que a obesidade está contribuindo para quatro milhões de mortes todos os anos, com um custo anual estimado em US$ 2 trilhões, similar ao custo do tabagismo ainda hoje no mundo.

A FAO e o Banco Mundial desenvolveram um conjunto de políticas voltadas à prevenção ou redução dos índices de obesidade. Entre essas políticas estão o aumento da disponibilidade de alimentos saudáveis, a implementação de políticas fiscais e de preços para desonerar o alimentos frescos e saudáveis e também incentivo à informação e à educação.

Não haverá vencedores nessa batalha contra obesidade sem a forte participação da indústria de alimentos. A luta contra a obesidade é – e tem de ser – um tema de saúde pública, mas também de cidadania”, afirma José Graziano, em um artigo publicado nesta terça-feira no jornal Valor Econômico. 

“Há fatores que explicam a relação direta entre insegurança alimentar e obesidade. Por exemplo: quando as pessoas têm menos recursos para obter alimentos, elas optam pelos mais econômicos e acessíveis”, conclui. 

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...