OMC discute estratégias econômicas multilaterais para países africanos

O diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio) Roberto Azevêdo defende mais esforços comerciais regionais e multilaterais para ajudar a impulsionar a integração econômica, o crescimento e o desenvolvimento da África. Essa semana ele participou, em Burkina Faso, de um encontro com ministros e altos funcionários dos países membros da União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA). 

O multilateralismo e as iniciativas regionais são duas maneiras complementares de os membros da UEMOA se beneficiarem do comércio. Essa é a chave para apoiar suas estratégias de crescimento, diversificação e desenvolvimento. O desenvolvimento de capacidade apropriada é essencial aqui, e a OMC está trabalhando com os membros da WAEMU para garantir que essas necessidades sejam atendidas “, declarou Roberto Azevêdo.

Durante a reunião, Roberto Azevêdo se encontrou com o presidente de Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré e também com o p da UEMOA, Abdallah Boureima.  Ele também conversou com representantes dos governos de Benin e da Guiné-Bissau.

“Na OMC, os membros da UEMOA desempenham um papel construtivo em muitas frentes. É importante manter esse momento, especialmente porque os membros da OMC estão começando a procurar resultados para a nossa 12ª Conferência Ministerial no Cazaquistão no próximo ano”, revela.

No encontro, Azevêdo fez um resumo das iniciativas em andamento da OMC para ajudar a aumentar a capacidade de comércio na região e destacou as discussões em Genebra com o objetivo de tornar a organização mais responsiva e ágil, inclusive sobre questões em que os membros da UEMOA demonstraram grande interesse, como a agricultura , o algodão, subsídios à pesca e comércio eletrônico.

O progresso para ajudar a fortalecer o sistema comercial em todos os níveis seria um grande passo para ajudar a combater as incertezas causadas pelo aumento das tensões comerciais. Essa incerteza está tendo um impacto econômico real, pois está levando as empresas a adiar investimentos, por sua vez, enfraquecendo as perspectivas para crescimento e criação de empregos. A cooperação global é essencial para ajudar a reverter essa tendência. Todos devemos trabalhar juntos para esse fim “, concluiu o diretor geral da OMC.

A União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) é uma organização de integração regional criada por sete países da África Ocidental que têm em comum uma moeda única, o Franco CFA. A UEMOA foi criada por um tratado assinado em Dakar,em 1994 pelos chefes de estado e de governo do Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal e Togo. Em 1997, Guiné-Bissau tornou-se o oitavo estado membro da união.

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.