Green Economy: Organização Mundial da Economia Verde lança conferências regionais

Com objetivo de aumentar a conscientização e o engajamento regional sobre economia verde, a Organização Mundial da Economia Verde (WGEO), em conjunto com a ONU e alguns parceiros estratégicos, lançou internacionalmente as Conferências Ministeriais Regionais para discutir a temática. Os eventos são divididos em cinco regiões: Ásia-Pacífico; África; Américas; Oriente Médio e Norte da África; e Europa e Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

As conferências buscam identificar possibilidades para disseminação e adoção de novas tecnologias limpas e verdes. Essa ação se dá dentro da Cooperação Sul-Sul e Triangular, e também de acordo com a Agenda de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas para 2030. Além disso, também se pretende analisar o que impede a ecoinovação das regiões, incluindo a falta ou acesso limitado a instrumentos financeiros verdes relevantes.

As conferências têm três áreas principais de foco: melhorar os marcos regulatórios e políticas para economia verde; promover investimentos verdes inovadores por meio de parcerias público-privadas; e aumentar a capacidade de cada país para o desenvolvimento de ações verdes holísticas.

Com esses eventos, a WGEO espera explorar as oportunidades que existem hoje para alcançar uma transição de impacto e perceptível para a economia verde. As Conferências Ministeriais Regionais vão focar em medidas práticas que os países podem adotar para iniciar e facilitar essa transição.

As cidades-sede

As Conferências Ministeriais Regionais sobre Economia Verde 2019 já tiveram início na cidade de Bangkok, na Tailândia, que recebeu ministros e autoridades entre os dias 10 e 12 de junho. O encontro buscou promover soluções aplicáveis de economia verde, baseadas em evidências e discussões entre os participantes.

Na sequência de Bangkok, Cairo, no Egito, vai receber os representantes do continente africano para discutir a temática entre os 17 e 19 de junho e Fortaleza, no Brasil, receberá as autoridades das Américas entre os dias 24 e 26 de junho.

LEIA TAMBÉM: Green economy: Fortaleza recebe conferência ministerial das Américas

Já a cidade de Manama, no Bahrein, será a sede da Conferência Ministerial Regional do Oriente Médio e Norte da África entre os dias 2 e 4 de julho. O encerramento dos encontros será em Tashkent, capital do Uzbequistão, que receberá as autoridades da Europa e Comunidade dos Estados Independentes.

Após os cinco encontros, as discussões e soluções apresentadas nas Conferências Ministeriais Regionais serão usadas para expandir os debates na Cúpula Mundial da Economia Verde (World Green Economy Summit – WGES), que acontecerá em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, entre os dias 20 e 21 de outubro.

+ O Instituto Brasil África é um dos apoiadores da Conferência Regional Ministerial das Américas

Economia verde

A transição para um modelo de economia verde requer um quadro político que atraia a atividade econômica geral para os setores verdes, criando oportunidades de investimento e desenvolvimento de negócios. A criação desse ambiente propício pode incluir vários elementos, como envolver estruturas legislativas nacionais, criar políticas, incentivos fiscais e subsídios, bem como simplificar o acesso a mercados internacionais e assistência técnica.

A inovação tecnológica, outro aspecto importante, está no cerne da transição para uma economia verde: é por causa dos recentes avanços na área das tecnologias limpas que toda a ideia de uma economia mais verde foi possível. Dessa forma, inovações tecnológicas adicionais vão estar diretamente relacionadas à velocidade e à qualidade com as quais nossas sociedades convencionais se converterão em sociedades mais verdes.

Uma característica fundamental de todos os instrumentos financeiros verdes é que eles possibilitam empréstimos/investimentos levando em conta critérios de sustentabilidade ambiental. Enquanto o financiamento verde compreende vários instrumentos financeiros, como fundos públicos, capital de risco e investidores-anjo, financiamento de projetos, capital, dívida, fundos de pensão e títulos de infraestrutura verde, a transição para uma economia mais verde requer o investimento de recursos financeiros significativos em setores verdes.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...