Brazil Africa Forum

Papa Francisco faz um balanço da sua viagem à África

O Papa Francisco esteve em três países africanos entre os dias 4 e 10 de setembro: Moçambique, Madagascar e Ilhas Maurício.  Em uma conversa com os jornalistas na última quarta-feira (11), o Papa fez um balanço sobre a viagem. Entre outros assuntos, o líder católico falou sobre os desafios encontrados nesses países, sobre a importância da proteção ambiental e sobre a esperança na juventude. 

Juventude

A África é um continente jovem, tem uma vida jovem, se a compararmos com a Europa”, falou o Papa, ao se referir a juventude africana. “Vocês têm o desafio de educar esses jovens e fazer leis para eles. A educação neste momento é uma prioridade no seu país”, complementou, se referindo a Moçambique ao responder a pergunta de um jornalista do país.


Papa Francisco em Madagascar, Foto: AFP/Tiziana Fabi

O Estado deve cuidar da família, dos jovens. E é dever do Estado de levá-los adiante. Então, repito, para uma família ter um filho é um tesouro. E vocês têm essa consciência, têm a consciência do tesouro.” declarou ao responder uma pergunta de um jornalista de Madagascar. “Uma coisa sobre as crianças que me impressionou nos três países é que as pessoas me saudavam. Havia também crianças pequenas que também saudavam, estavam muito alegres”, acrescentou.

Globalização e Xenofobia

Francisco falou sobre os desafios da globalização. “Hoje não existem colonizações geográficas – pelo menos não tantas. Mas existem colonizações ideológicas, que querem entrar na cultura dos povos e transformar aquela cultura e homogeneizar a humanidade”. E concluiu: “Devemos respeitar a identidade dos povos, esta é uma premissa a ser defendida sempre. Assim expulsamos todas as colonizações.


Papa Francisco em Moçambique, Foto: REUTERS/Grant Lee Neuenburg

O Santo Padre também comentou sobre a xenofobia. “Li nos jornais sobre esta xenofobia, mas não é apenas um problema da África. É uma doença humana, como o sarampo. É uma doença que entra num país, entra num continente, e colocamos muros. Mas os muros deixam sozinhos aqueles que os constroem. Sim, deixam de fora muitas pessoas. Mas aqueles que permanecerem dentro dos muros ficarão sozinhos e no final da história derrotados por causa de grandes invasões.” E apontou para seus riscos e situação na África. “Temos de lutar contra isso: seja a xenofobia de um país em relação a outro, seja a xenofobia interna, que, no caso de alguns lugares na África e com o tribalismo, conduz a uma tragédia como a de Ruanda“.

Meio Ambiente

Ao falar sobre sustentabilidade, o Papa comparou a exploração ambiental com a corrupção. 

 “Há no inconsciente coletivo um lema: a África deve ser explorada. Nós jamais pensamos: a Europa deve ser explorada. Devemos libertar a humanidade deste inconsciente coletivo. O ponto mais forte da exploração está no meio ambiente, com o desflorestamento, a destruição da biodiversidade”, defende.. “Há uma palavra que devo dizer e que está na base da exploração ambiental. E a palavra feia, feia é a corrupção”. 

Francisco lembrou que os cuidados com os mares e oceanos estão em suas intenções de oração para setembro. “Depois, há os grandes pulmões, na República Centro-Africana, em toda a região Pan-amazônica”, disse. “São pequenos pulmões do mesmo tipo. É preciso defender a ecologia, a biodiversidade, que é a nossa vida, defender o oxigênio, que é a nossa vida”, afirmou o Papa.

Passagens por Moçambique, Madagascar e Maurício

Papa Francisco começou sua viagem por Moçambique. Ele celebrou uma missa campal no Estádio Nacional do Zimpeto. “Hoje, se identifica Moçambique com um longo processo de paz que teve os seus altos e baixos, mas no final conseguiram concluí-lo com um abraço histórico. Espero que isso continue e rezo por isso”, elogia.

Em Madagascar o líder católico criticou “certas práticas que levam à cultura de privilégios e exclusão” e celebrou uma missa para mais de 1 milhão de pessoas. 

Papa Francisco em Mauricio, Foto: AFP

O Santo Padre encerrou suas viagens em Maurício onde rezou uma missa para 100 mil pessoas. Francisco se referiu a um arquipélago reivindicado pelo Reino Unido e pelas Ilhas Maurício como Chagos, ao invés de seu nome britânico. O fato deu esperança a moradores de Maurício que querem devolução de arquipélago pelo Reino Unido

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.

Morre o pesquisador Fernando Arenas, referência em estudos culturais sobre África Lusófona

Oito anos depois de ser publicado nos Estados Unidos, o livro "África Lusófona – Além da Independência" recebe uma edição traduzida para o português. A obra foi escrita pelo prof

Centro de Excelência da ONU participa de convocação global contra a fome na Etiópa

O diretor adjunto do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos das...