Paulo Gomes e uma nova Guiné-Bissau

Líder empresarial e um importante ator político na Guiné-Bissau, Paulo Gomes (54) tem se dedicado à colocar seu país no mapa de investimentos internacionais e a torná-lo estável e próspero. Como uma experiência acumulada a partir de sua participação em organizações como o Banco Mundial, fundou a Paulo Gomes and Partners, uma empresa de assessoria estratégica e investimentos que oferece consultoria e soluções sob medida para clientes interessados em investir no continente africano. Sendo um dos fundadores e presidente do Conselho Consultivo da Câmara de Comércio África-Sudeste Asiático, Paulo tem buscado dialogar com empresas de vários continentes e entende a aproximação com a China como estratégica para a África.

Nessa entrevista, concedida durante uma viagem ao Brasil para prospecção de negócios, Paulo Gomes fala à ATLANTICO sobre essa participação chinesa na economia africana e também sobre o protagonismo do Brasil na Cooperação Sul-Sul, sobre o futuro das relações Brasil-África, sobre o fortalecimento do comércio intrarregional africano e sobre o protagonismo juvenil.

Também se mostra otimista quanto ao resultado das conturbadas eleições legislativas que acontecerão em Guiné-Bissau em março de 2019 e aproveita para criticar o atual presidente do seu País, como vem fazendo nos últimos anos. Vale lembrar que Paulo Gomes foi candidato às eleições presidenciais de 2014 e, embora ainda não assuma, deve concorrer à corrida presidencial guineense de 2019.

VÍDEO: Assista entrevista de Paulo Gomes no 6º Fórum Brasil África

ATLANTICO – O senhor tem se esforçado em colocar a Guiné-Bissau no mapa internacional dos investidores. Quais são hoje os principais desafios nesse processo?

Paulo Gomes – Existem vários desafios. A concepção dos investidores sobre Guiné-Bissau ainda é muito ruim. Então, temos um desafio enorme de construir esse processo de confiança para atrair o investimento privado estrangeiro. O nosso Produto Interno Bruto está em torno de US$ 1,4 bilhões. Por isso, o investimento privado estrangeiro é muito importante. Nossa dívida não permite que façamos muitos empréstimos para financiar novos investimentos. E também a comunidade doadora desengajou-se bastante da Guiné-Bissau. Então temos todos esses fatores que não ajudam. Por isso, eu tento utilizar o meu tempo participando    de diversos eventos e fóruns internacionais gradualmente criar uma coligação de, digamos, amigos da Guiné-Bissau. É claro que os resultados não serão imediatos porque isso requer uma interação com outros players, como Estados Unidos, Cingapura, Hong-Kong, Indonésia e outras regiões do Sudeste Asiático, onde eu estou presente.  Eu acredito que para que o país possa estar pronto para colher essas oportunidades e aproveitar-se dessa coligação é importante começar o engajamento gradual com esses players. E o Brasil faz parte disso. Daí minha aproximação com o Instituto Brasil África. O encontro em Salvador [6º Fórum Brasil África] foi muito útil nesse sentido. Estamos muito envolvidos em apoiar o próximo encontro de São Paulo, que vai acontecer em novembro. Acredito que até lá, depois das eleições legislativas que serão realizadas em março, o país terá um novo ambiente.

ATLANTICO – A comunidade internacional observa atentamente para as eleições legislativas da Guiné-Bissau. E o senhor falou sobre a má percepção dos investidores. De que forma uma reorganização política traria mais segurança para esses investidores?

Paulo Gomes – Tivemos vários acontecimentos muitos tristes na história da Guiné-Bissau que não ajudaram muito [a construir uma boa reputação para o País], como vários golpes de estado, assassinato de um presidente em exercício e o problema do tráfico internacional de drogas que utiliza Guiné-Bissau como uma de suas plataformas, embora o consumo de drogas não seja tão relevante por lá. Tudo isso forma uma imagem que não pode se apagar de um dia para o outro. São necessárias algumas ações concretas para mostrar que estamos dispostos a virar essa página. O papel do presidente é extremamente importante para a criação dessa confiança. Ele deve ser aquela pessoa que vai vender a imagem do país e reconhecer os nossos problemas porque, na era da Tecnologia da Informação, não há muito o que esconder. Nós esperávamos que o presidente [José Mário Vaz] pudesse exercer esse papel. Infelizmente, ele passou quase cinco anos muito recluso. Não é um presidente que engaja seus companheiros fora do país, que vende uma boa imagem e que possa também reconciliar os guineenses. É grande  a responsabilidade dele nesse processo. Eu penso que os guineenses votaram nele com a esperança de que iria ser um elemento de reconciliação. Ele estudou em Portugal, teve vários funções e representa um pouco a nova geração. Porém teve comportamentos que, infelizmente, foram decepcionantes.

Paulo Gomes no 6º Fórum Brasil África, Salvador

ATLANTICO – O Brasil tem um papel importante na Cooperação Sul-Sul. Contudo ele está passando por transformações políticas. Quais as expectativas do senhor em relação às relações Brasil-África?

Paulo Gomes – As eleições brasileiras aconteceram num ambiente de muita polarização. O discurso utilizado pelo atual presidente não foi de que o Brasil continuaria a ser um player mundial que sempre foi. Os países nunca esperaram dinheiro do Brasil. Porém, o Brasil tem um saber importante em várias áreas no qual os países em desenvolvimento se inspiram. E havia essa preocupação de que o Brasil iria desaparecer do radar. Mas acredito que o novo presidente vá certamente governar no “centro”. Os discursos foram de extrema direita mas acredito que ele vai, agora que é presidente de todos os brasileiros, se posicionar ao centro e reconciliar esse País. Eu penso que Bolsonaro e sua equipe vão tomar essa consciência. Para nós, o  Brasil é extremamente importante em vários aspectos. Primeiramente, parte da nossa diáspora está aqui no Brasil e essa diáspora é muito bem educada, com bom nível intelectual, que pode ser útil para o Brasil e para nós. Vamos ficar atentos porque partimos do princípio que nós somos parte do ativo do Brasil dada a diáspora, a cultura e a história. Também levamos em conta a expertise do Brasil na área agrícola que, para nós, é inquestionável.  Nos próximos 30 anos, a África terá uma população aproximada de 2 bilhões de indivíduos. Temos que alimentar essas pessoas. E a tecnologia que o Brasil tem é fundamental. Não achamos que o novo presidente vá ignorar essa vantagem competitiva do Brasil. O papel do Brasil para alimentar o mundo é extremamente importante.

Nos próximos 30 anos, a África terá uma população aproximada de 2 bilhões de indivíduos. Temos que alimentar essas pessoas. E a tecnologia que o Brasil tem é fundamental. 

ATLANTICO – Brasil e Nigéria anunciaram um acordo bilionário para um grande projeto agrícola, com apoio da Alemanha. Qual a importância de um acordo como esse para as relações Brasil-África?

Paulo Gomes – A população da Nigéria este ano vai ultrapassar a marca de 200 milhões de pessoas em um território muito menor que o do Brasil. Mesmo com os alemães associados a isso eu penso que a tecnologia que será utilizada na Nigéria é a tecnologia brasileira. É o saber brasileiro.

ATLANTICO – O senhor sempre fala sobre o fortalecimento intrarregional. De que forma esse fortalecimento pode diminuir a dependência dos países ricos, sobretudo dos países da Europa?

Paulo Gomes – A Europa está passando por um período de crise identitária. E essa crise vem com reações isolacionistas, assim como acontece nos Estados Unidos. Isso nos leva a perceber que há um potencial importante para o comércio africano a nível regional. Nos próximos 10 anos nós teremos mais de 12 milhões de jovens entrando no mercado de trabalho a cada ano. Esse trabalho pode ser absorvido apenas com um aumento do comércio intrarregional. Você tem um mercado como a Nigéria que tem agora 200 milhões de pessoas e um país como a Guiné Bissau com 2 milhões de pessoas para poder vender. Por isso, a Guiné Bissau precisa olhar para o seu vizinho para vender mandioca, para vender arroz, para vender peixe, antes de pensar em vender para Europa e tendo que vencer os desafios da logística para a Europa, tendo em conta as regras fitossanitárias de lá. Ao nível regional, é possível fazer trading com países onde as condições de acesso ao mercado são muito mais fáceis e cujo problemas logísticos, embora existam, são menos agudos.

ATLANTICO – De que forma as organizações multilaterais panafricanas, como NEPAD, União Africana e Banco Africano de Desenvolvimento podem contribuir nesse processo de incentivo ao comércio intrarregional?

Paulo Gomes – As pessoas falam muito que eles são teóricos. Porém, sob a liderança do Paul Kagani, a União Africana apresentou a Agenda 2063 que traz uma série de projetos importantes. Há projetos-chave que podem ser implementados e que vai fortalecer a regionalização do nosso comércio e que mostram nossas trocas como um elemento de crescimento como o acordo comercial continental, a criação de estradas de ferro entre diferentes países, o desenvolvimento de energia aliada à uma barragem no Congo e que constituem um importante elemento de unificação da eletrificação da África Central e da África Ocidental. Além disso, precisamos de estratégias para transformação das nossas commodities porque vamos ser dependentes dos preços das commodities enquanto a gente não começar a processar as coisas minimamente e aprender a fazer isso..

Paulo Gomes no 6º Fórum Brasil África, Salvador

ATLANTICO – Alguns criticam o interesse da China pelo continente africano. Alguns críticos até chamam de “recolonização”. Mas sabemos que a China tem financiado grandes projetos no continente e tem olhado para a África como nenhum outro país olha. Que críticas o senhor faria à essa relação?

Paulo Gomes – Infelizmente essa narrativa de que a África sendo colonizada é uma narrativa um pouco condescendente. As pessoas não falam isso sobre outros continentes. Quando a Europa fez vários investimentos na África, ninguém falou em colonização. Eu penso que é uma narrativa no qual os africanos devam estar muito vigilantes e que sejam extremamente precisos em fazer desaparecer essa tendência dos vários media, sobretudo dos media na Europa. Não é possível neocolonizar a África. Quem se arriscar em fazer isso irá pagar um preço extremamente elevado. Segundo, não há dúvida que a China veio com uma oferta de infraestrutura que a Europa não estava a oferecer. Nós precisamos de mercado para nossas matérias-primas e a China e o principal mercado para as nossas matérias primas. Por isso, a China é um player importante e deve continuar a estar engajada com a África porque nós precisamos do mercado chinês. A Guiné-Konacry, por exemplo, tem a segunda maior reserva de bauxita do mundo e tem que vender essa bauxita para algum país. E não vai vender para o Brasil ou para a Polônia. Vende para a China que é o maior comprador. Mas a Guiné-Konacry está nesse momento pressionando a China para que parte da transformação da bauxita seja feita no país e para isso precisa resolver um pouco do déficit de energia. A China também já é uma grande potência em matéria de pesquisa e desenvolvimento. Já investe quase 400 bilhões de dólares em pesquisa e  vai ter um papel importante na Inteligência Artificial e no desenvolvimento da tecnologia 5G. Nós temos que fazer parte de tudo isso.

ATLANTICO – O que senhor espera da Guiné-Bissau daqui pra frente? Esse ano é importante para o País, com eleições…

Paulo Gomes – O que me dá esperança para o meu país é que uma nova geração  está a surgir. Muitos são produtos dessa diáspora. Eles não vão votar em qualquer político medíocre do nosso país. Eles sabem o que querem. Os políticos não vão utilizar essa massa para tentar influenciar com dinheiro ou com falso discurso. Essa geração que está a chegar é a nossa maior esperança. Eu tive a esperança de conhecer um incubador que existe em Bissau. Fomos juntos para Cingapura e passamos uma semana lá. Fiquei extremamente impressionado por essa massa jovem e a ambição deles. Estou otimista. Estou otimista pelo meu país. Queria que isso fosse mais rápido. E isso me preocupa porque o mundo e a tecnologia andam tão rapidamente que a cada ano perdido é um preço extremamente importante que você paga nesse percurso pela transformação do país. Mas quanto à essa renovação dos jovens que está a acontecer, eu penso que as eleições deste ano vão permitir que eles venham resgatar o papel que eles têm na sociedade.

Eu penso que as eleições deste ano vão permitir que eles venham resgatar o papel que eles têm na sociedade.

ATLANTICO – Então todo o poder está na mão dos jovens?

Paulo Gomes – Eu penso que vai estar. Eu penso que essa é a última eleição onde os atores políticos  clássicos vão conduzir o processo. Eu penso que no próximo processo eleitoral toda essa massa política estará fora do jogo.


VÍDEO

Nos bastidores do 6º Fórum Brasil África, Paulo Gomes, analisou as atuais relações de negócios entre o Brasil e os países africanos durante uma conversa com o jornalista João Rosário, da RTP África.

Assista outras entrevistas no 6º Fórum Brasil África


BIO

Paulo Gomes estudou no Instituto de Estudos de Relações Internacionais (ILERI), em Paris, onde concluiu o licenciatura em Economia e Comércio Internacional em 1988. Imediatamente, regressou ao País natal onde juntou-se ao Gabinete de Assuntos Econômicos. Depois autuou na Direção da Planificação Estratégica e na assessoria do Ministro das Finanças.

Em 1995, Paulo foi para a Universidade de Harvard, onde completou o Mestrado em Administração Pública e o Mestrado em Política Econômica e Gestão. Dois anos mais tarde, regressou de novo à Guiné-Bissau, quando trabalhou novamente como assessor principal do Ministro das Finanças. Nesse período, foi nomeado diretor executivo adjunto e, posteriormente, director executivo do Banco Mundial. Paulo Gomes é ainda membro do Conselho de Administração do Banco Africano de Desenvolvimento, da Ecobank, da Asky Airlines e da AFIG Fundo de Investimento, assim como fundador e presidente da empresa Constelor Investment Holdings. É membro do Fundo Verde para o Clima e co-fundador da Câmara do Comércio África-Sudeste Asiático, com sede em Singapura.

A vida pessoal de Paulo Gomes está intimamente ligada à história recente de Guiné-Bissau.  Os pais dele estiveram envolvidos na luta de libertação que conduziu à independência da Guiné-Bissau em 1973. O avô paterno foi preso diversas vezes pela polícia Portuguesa durante a época colonial.

por Gustavo Augusto-Vieira

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...