Programa da União Europeia e UNICEF aumenta registros de nascimento na África

A Parceria de três anos da União Europeia (UE) e da UNICEF levou a duplicação da cobertura de registro de nascimento em distritos de Burkina Faso, Camarões, Uganda e Zâmbia. A ausência de uma certidão de nascimento dificulta o acesso das crianças a direitos fundamentais, como educação e saúde; inibe a capacidade do governo de planejar e orçar; e deixa as crianças em maior risco de violações, como casamento e trabalho infantil. O programa resultou em mudanças catalíticas no sistema e aumento no registro de nascimentos, informou nesta quinta (17) a UNICEF.

“Taxas de registro estagnadas em muitos países deixam milhões de crianças sem identidade legal e as crianças mais vulneráveis ​​são desproporcionalmente afetadas”, disse Marie-Pierre Poirier, diretora regional da UNICEF para a África Ocidental e Central. “A parceria UE-UNICEF nos permitiu desenvolver modelos de serviços econômicos que usam plataformas de saúde e imunização como ponto de entrada para registrar crianças logo após o nascimento. Através de pequenas mudanças no nível local, estamos fortalecendo os sistemas nacionais para que cada criança seja contada. ”

Mãe e filho em Zâmbia, Foto: UNICEF

O investimento no valor de  6 milhões de euros, visou distritos com desafios no acesso aos serviços de registro civil. De 2017 a 2019, as taxas dobraram nas duas regiões dos Camarões, Mokolo e Betare, onde o programa foi implementado.

“Com investimentos da União Europeia, mais de 600 secretarias de nascimento foram instaladas nas unidades de saúde da Zâmbia, o que é um excelente mecanismo para ampliar o registro de nascimento, pois é o local em que os bebês nascem e as mães acompanham seus filhos, crianças pequenas ”, disse Robert De Raeve, encarregado de negócios da União Europeia na Zâmbia. “Estamos muito orgulhosos que os nascimentos de quase 450.000 crianças tenham sido registrados entre 2015 e 2018.”

Apesar do agravamento do contexto de segurança na região do Sahel, em Burkina Faso, houve progresso graças ao programa de divulgação dos registros para crianças através das unidades de saúde, onde os serviços são oferecidos. Em Arbinda, região do Saara de Burkina Faso, as taxas de registro de nascimento aumentaram de 66% em 2016 para 87% em setembro de 2018.

Na Zâmbia, o programa UE-UNICEF viu a cobertura de registro de nascimento quase dobrar nos distritos focais, de 68.000 em 2017 para 134.500 em 2019. O sucesso da Zâmbia é resultado de levar os serviços de registro de nascimento para mais perto das comunidades através das unidades de saúde, bem como mudanças nos as leis de registro de nascimento que agora permitem que as certidões de nascimento sejam emitidas e impressas nos níveis subnacionais. Os resultados também foram alcançados no Uganda, com um aumento de quase 300% dos pais de crianças menores de 1 ano notificando o nascimento de seus filhos em maio, junho, julho e agosto deste ano em oito distritos de aprendizagem, em comparação com todo o ano de 2018.

Desenvolvimento Sustentável

“Combinados, esses resultados são extremamente impressionantes e terão um impacto de mudança de vida nessas crianças à medida que crescem – apoiando seu acesso à educação, serviços de saúde, uma identidade nacional e uma série de direitos de proteção”, disse Mohamed Malick Fall, Regional da UNICEF Diretor da África Oriental e Austral. “Ao nos aproximarmos do trigésimo aniversário da Convenção dos Direitos da Criança, o desafio dos governos e parceiros em todo o continente é ampliar essas soluções comprovadas.”

Enquanto o programa continua, o UNICEF afirmou que o interesse e o compromisso do governo com o registro de nascimento na África estão rapidamente ganhando terreno. Muitos países estão avaliando os sistemas atuais, desenvolvendo planos de ação estratégicos e alocando recursos adicionais. Os governos buscam atingir a meta do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável – fornecer identidade legal para todos, inclusive o registro de nascimento até 2030, registrando dezenas de milhões de crianças a mais em todo o continente.

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.