RDC: OMS tenta para conter avanço do Ebola em áreas críticas

A Organização Mundial de Saúde (OMS) preparou uma nova estratégia para conter o avanço do Ebola na República Democrática do Congo.

Desde que o surto foi declarado em agosto de 2018, as equipes de resposta à endemia  enfrentam dificuldades para controlar a epidemia por conta de ataques às unidades de saúde no leste do País. Conflitos armados e desinformação em comunidades já traumatizadas estão entre os maiores problemas. 

Em 2019, a OMS registrou cerca de 390 ataques. Os ataques mataram 11 e feriram 83 trabalhadores da saúde. Os ataques às unidades de saúde restringem severamente as operações das equipes de saúde, permitindo que o contágio por Ebola aumente.

Hamadou Boiro
Hamadou Boiro

Para tentar reverter essa situação, uma equipe de antropólogos sociais foi enviada às áreas mais críticas para entender as preocupações da população e preparar o caminho para que outros profissionais se envolvam na comunidade. Essa equipe é formada principalmente por cidadãos congoleses que conhecem a cultura e os costumes locais e falam o idioma local.

“Nossa principal vantagem é entender e simpatizar com a cultura. Em muitos casos, visitamos os líderes e suas comunidades primeiro para facilitar o engajamento e depois explicamos suas preocupações aos nossos colegas ”, afirma Hamadou Boiro, líder da equipe de antropólogos sociais da OMS. Segundo ele, líderes tradicionais e religiosos são uma parte importante do processo de engajamento. 

+ O atual surto de Ebola é o décimo do País e o segundo pior do mundo.

Comunidade no leste da RDC

Entre os assuntos tratados pelos antropólogos e os líderes locais estão questões políticas e religiosas.  “Alguns pensam que o Ebola foi inventado para que os estrangeiros pudessem ganhar dinheiro com ele. Alguns atribuem a doença à feitiçaria e outros suspeitam que o surto tenha sido uma desculpa para adiar a eleição presidencial de 2018 que foi cancelada em Butembo, Beni e Yumbi.”

“Se as equipes já tivessem começado com o apoio dos líderes tradicionais, sua experiência com a comunidade teria sido muito mais positiva”, disse Mwami Saidi Katwa, um dos líderes de Kalonge, Kivu do Sul, que foi visitado pela equipe de antropólogos da OMS há alguns dias.

Um outro fator que contribuiu para garantir o acesso dos profissionais de saúde é a falta de confiança da população. Cerca de 36% dos moradores das regiões mais atingidas não confiam nos agentes de saúde, um terço negou a existência do ebola e outros 30% não sabiam da doença. Mais de 80% dos entrevistados ouviram rumores sobre os centros de tratamento do Ebola, e muitas pessoas disseram que estavam com medo de morrer lá. Os dados são de uma pesquisa feita pela própria OMS.

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

Rio de Janeiro terá exposição de Arte Iorubá

A Casa de Herança Oduduwa recebe a partir do mês de Agosto uma exposição de peças milenares da cultura iorubá. A mostra de arte...