Resiliência rural em regiões semiáridas quentes

Segundo Marcel Mazoyer e Laurence Roudart, autores do livro “A História das Agriculturas no Mundo”, a razão de produtividade entre os produtores rurais mais produtivos e menos produtivos do mundo no período entre guerras era de 10 vezes. Cinquenta anos depois, após a introdução de avanços tecnológicos decorrentes da crescente mecanização e da revolução verde, a mesma razão alcançou o valor de 2000 vezes. Grande parte destes ganhos de eficiência foi capturada por economias desenvolvidas e por algumas poucas regiões em países em desenvolvimento. Em artigo recente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), intitulado “Eficiência Produtiva e Pobreza Rural no Nordeste Brasileiro”, os autores destacam a evidência de que nos últimos 20 anos a agricultura brasileira e chinesa apresentaram as taxas mais aceleradas de crescimento de produtividade no mundo. Contudo, o desempenho produtivo da agricultura brasileira também foi muito heterogêneo, principalmente no que diz respeito a região nordeste, que não acompanhou o desempenho das demais regiões do país. A contribuição do trabalho do IPEA foi o de identificar que o baixo dinamismo da região está especialmente relacionado ao desempenho do semiárido. Um traço comum das regiões semiáridas de países em desenvolvimento é o baixo crescimento, altos níveis de pobreza e maior exposição a mudanças climáticas. Tais regiões são particularmente suscetíveis a períodos de secas e chuvas irregulares, além de apresentarem baixa produtividade, infraestrutura deficiente, escassez de água e acesso limitado a diferentes tipos de mercados. Em dezembro deste ano foi realizado no Banco do Nordeste, sob a organização do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e do Banco Mundial, o seminário “Avaliação da Seca de 2010-2016 no Semiárido”. No evento foi lançado o livro: “Secas no Brasil: Política e Gestão Proativas”. Uma conclusão das discussões foi que, ao longo do tempo, os formuladores de políticas alcançaram em um diagnóstico mais acurado do problema das secas, o que tem proporcionado planejamento e desenho de políticas mais efetivas. Soluções inovadoras têm sido construídas neste sentido. Os mesmos avanços têm sido alcançados por pesquisadores e formuladores de políticas de outras regiões semiáridas quentes do mundo, como é o caso do Continente Africano. Aumentar a resiliência das famílias e dos produtores rurais destas regiões é um desafio de grandes proporções. Neste sentido, a cooperação e o intercâmbio de informações técnicas, pesquisas, soluções, inovações e acervo de boas práticas são objetivos a serem perseguidos por todos nós, agentes diretamente envolvidos nas formulações de políticas de desenvolvimento para tais regiões.

“AUMENTAR A RESILIÊNCIA DAS FAMÍLIAS E DOS PRODUTORES RURAIS DESTAS REGIÕES É UM DESAFIO DE GRANDES PROPORÇÕES”.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...