Secretário-geral da ONU visita Moçambique

A convite de Filipe Nyusi, presidente moçambicano, o Secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, visita Moçambique no dia 11 de julho. O secretário se reunirá com autoridades locais para fazer um apanhado dos abalos que os ciclones Idai e Kenneth causaram na região. Nesta visita também será promovido um encontro de Guterres com sobreviventes dos desastres naturais que acometeram parte da África. 

A visita do Secretário-geral será em Maputo, capital do país, e em Beira, que foi um dos pontos mais atingidos pelas tempestades tropicais. Nesta localidade, Guterres encontra-se com sobreviventes e organizações que estão apoiando a reconstrução das cidades atingidas pelos ciclones. A autoridade também visitará centro de reassentamento para os que foram, de alguma forma, prejudicados pelos desastres. 

As Nações Unidas apoiam a iniciativa humanitária que engloba centenas de funcionários de diferentes nacionalidades que ajudam na reconstrução das cidades e apoio à população. Por meio de doações internacionais, Moçambique arrecadou cerca de 1,2 bilhão de dólares, mas está distante da solicitação, de 3,2 bilhões de dólares feita pelo país.

Tempestades tropicais Idai e Kenneth

O Idai deixou um rastro de destruição na cidade de Beira, em Moçambique (Foto: Josh Estey/CARE via AP)

No dia 14 e 15 de março, Moçambique, Zimbabwe e Malawi foram atingidos pelo ciclone tropical Idai. O desastre natural matou cerca de mil pessoas, e mais de quatro mil foram acometidas com cólera. Moçambique foi o país mais devastado por essa tempestade, que praticamente destruiu a cidade de Beira, segunda maior do país. Após um mês, em 15 de abril, o país africano foi atingido pelo ciclone Kenneth, ele deixou um rasto de destruição nas ilhas de Comores, em seguida foi em direção a província de Cabo Delgado. 

LEIA TAMBÉM: Ciclone Idai: o mundo ajuda o sudeste africano

Além das mortes registradas, casas, que antes abrigavam famílias, foram reduzidas a escombros. O sistema de comunicação e a energia elétrica das áreas atingidas também foi prejudicado. Por conta disto, o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), estima em 2,2 milhões de pessoas que vivem em Moçambique precisam de ajuda humanitária.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), não existem registros que comprovam a existência, em Moçambique, de duas tempestades dessa magnitude em um intervalo mínimo de tempo, ou seja, este foi um acontecimento sem possibilidade de previsão.



Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...