Segurança Alimentar: FIDA, FAO, Banco Mundial e BAD reforçam compromisso

Um comunicado conjunto, assinado por líderes de quatro agências multilaterais, busca fortalecer os esforços para melhor apoiar os países a alcançar suas metas coletivas de segurança alimentar e nutricional. Representantes de alto nível do Banco Africano de Desenvolvimento, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e do Banco Mundial juntaram-se esta semana em Kigali, no primeiro Diálogo de Liderança sobre Segurança Alimentar em África (AFSLD).

As quatro organizações concordam em ampliar sua colaboração. Isto inclui planeamento e programação conjuntos, co-financiamento e financiamento paralelo, e actividades analíticas e consultivas conjuntas para abordar as questões de segurança alimentar africana no contexto das alterações climáticas. Eles também concordam em se comprometer com apoio financeiro e técnico que seja compatível com o tamanho do desafio da segurança alimentar.

Gilbert Houngbo

“O IFAD está empenhado em continuar a trabalhar com os seus parceiros para capacitar os pobres rurais e os mais vulneráveis, e garantir que os pequenos agricultores e empresários tenham o capital, o conhecimento e o apoio de que precisam para ter sucesso e impulsionar uma maior segurança alimentar e desenvolvimento econômico ao mesmo tempo “, afirma Gilbert Houngbo, presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Um importante diálogo

Participaram do evento mais de 250 tomadores de decisão, incluindo 28 ministros de todo o continente, ganhadores do Prêmio Nobel, especialistas técnicos líderes na África e representantes de organizações internacionais como a União Africana, as Comunidades Econômicas Regionais (RECs), agências das Nações Unidas. e o Grupo Consultivo para Pesquisa Agrícola Internacional (CGIAR).


“Esta reunião deixou muito claro que devemos trabalhar juntos para aumentar o acesso à tecnologia para os agricultores, especialmente as mulheres, para permitir um melhor financiamento e garantir que a agricultura faça parte da solução da mudança climática. E devemos fazê-lo com urgência”, revela Hafez Ghanem, vice-presidente do Banco Mundial para a região da África.

“A própria existência desse diálogo mostra que a vontade, o desejo e o impulso para transformar a agricultura africana são fortes”, conclui Martin Fregene, Diretor de Agricultura e Agro-Indústria do Banco Africano de Desenvolvimento.

Um desafio crescente

O setor agrícola da África Subsaariana cresceu mais rápido do que em qualquer outro lugar do mundo, com uma taxa de crescimento de 4,6% do PIB agrícola de 2000 a 2018. Mas cerca de 20% da população da África (256 milhões de pessoas) enfrentam insegurança alimentar severa.

A situação está piorando devido aos impactos negativos das mudanças climáticas e conflitos. Eventos climáticos extremos, como secas e enchentes, tornaram-se mais freqüentes e prolongados, levando à diminuição da capacidade produtiva da terra e à perda de capital natural.

O número de pessoas subnutridas na maioria das sub-regiões tem crescido novamente desde 2014 e se esta tendência continuar, os ganhos duramente conquistados dos anos anteriores serão perdidos.

“Estamos comprometidos em unir forças com nossos principais parceiros ao oferecer nossos recursos técnicos e financeiros para uma parceria transformadora e impactante em questões de segurança alimentar em um clima em mudança”, afirma Maria Helena Semedo, Diretora Geral Adjunta da Organização de Alimentos e Agricultura da Nações Unidas (FAO).

Expertise brasileira

Empresas e outras organizações brasileiras também podem contribuir para o avanço da Segurança Alimentar no continente africano. O tema será discutido durante o Brazil Africa Forum 2019 – Segurança Alimentar: Caminho para o Crescimento Econômico. O evento será realizado em São Paulo durante os dias 13 e 14 de novembro. 

Saiba mais em: https://forumbrazilafrica.com

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.