Tecnologia a serviço do esporte e da gestão

Já imaginou levar um campo de futebol inteiro, colocar dentro de uma mala e levar para onde quiser? Isso ainda não é possível. Porém, uma tecnologia desenvolvida no Brasil permite armazenar um campo de futebol, com traves, arquibancadas e até vestiários em dois containers marítimos. O novo produto consolida a expertise do Brasil em requalificar espaços públicos através do futebol. “Esse produto foi feito para atender o governo brasileiro e é de baixíssimo custo de manutenção”, explica o empresário Alessandro Oliveira, sócio diretor da Soccer Grass, idealizador do campo portátil.

De acordo com o empresário, a durabilidade de um campo portátil é de 7 a 10 anos, mesmo sem manutenção. “Não precisa pintar. A grama tem excelente qualidade. E ajuda muito na logística, pois não precisa de empreiteiro, nem de engenheiro. Só de montador”, garante. O kit da arena vem com quadra multiuso de 450 m², arquibancada e dois containers que podem ser usados como vestiário ou uma unidade de saúde. A montagem ou desmontagem do espaço pode ser feita em 4 ou 5 dias. E além do futebol, é possível utilizar a arena para vôlei, aulas de dança de rua e rodas de capoeira”, lembra Oliveira.

No mercado desde 1995, a empresa Soccer Grass é líder no mercado de campos sintéticos no Brasil. Os campos da empresa são usados pela Seleção Brasileira de Futebol e pelos principais clubes brasileiros, como São Paulo, Palmeiras e Corinthians. Além disso, a empresa tem parceria com jogadores profissionais como Zico, Neymar Jr. e Ronaldo, que utilizam os empreendimentos da marca em seus centros de treinamento. Com operações nos Estados Unidos e Japão, a Soccer Grass espera entrar em outros mercados como Índia, Europa e África com esse novo lançamento.

 

Alessandro Oliveira

BRASIL COMO REFERÊNCIA

No Brasil, um campo portátil sintético custa seis vezes menos que uma arena sintética convencional: 300 mil reais (aproximadamente US$ 92,000). O custo menor tem estimulado iniciativas estatais como a do Governo do Paraná, que encomendou a compra de 24 unidades, que serão instaladas em áreas de maior vulnerabilidade social. A ideia do governo local é firmar parceria com as prefeituras, que cedem o terreno para que a Secretaria instale os equipamentos, que contam com estruturas de alambrados, arquibancadas e gramado sintético e podem ser utilizados para a prática de futebol, handebol, vôlei, tênis, badminton, entre outras modalidades. “As primeiras arenas estão sendo montadas, mas estamos satisfeitos com a velocidade. Por não serem construídas, sua instalação é bem mais ágil. Mas com certeza acreditamos que o impacto sobre a diminuição da criminalidade será enorme”, comemora o Secretário do Esporte e Turismo do Paraná, Douglas Fabrício. “Todo o processo burocrático para fazer uma obra para práticas esportivas nos municípios leva cerca de um ano. Com este formato, levamos cerca de 15 dias para entregá-la à população”, explica. “A comunidade ganha com a criação de espaço de convivência comunitária, um lugar para encontros e atividades culturais e ainda com a melhoria da economia local, uma vez que os entornos destes campos se tornam locais de empreendimentos variados”, acredita Preto Zezé, Presidente da Central Única das Favelas (CUFA).

 

O MODELO DE FORTALEZA COMO EXEMPLO

A experiência paranaense é inspirada no modelo exitoso criado na cidade de Fortaleza, capital do Ceará, no nordeste brasileiro, onde a prefeitura criou um projeto de requalificação de campos de futebol chamado “Areninhas”.

Em três anos de projeto, o poder público local implementou 22 areninhas de campo e deve criar outras 15 até o final de 2018. Sem usar o novo modelo portátil multiuso, a prefeitura da cidade investe cerca de R$ 1,8 milhão (cerca de US$ 544,000) por equipamento, com tempo de obra estimado em até seis meses. O valor inclui um campo sintético de tamanho maior e uma melhoria na infraestrutura do entorno.

Para cara areninha, a comunidade escolhe um Conselho Gestor Comunitário. “O órgão é formado por seis representantes da sociedade civil e seis membros escolhidos pelo poder público. O Conselho tem a função de zelar, formular e controlar a execução das políticas públicas voltadas para o esporte e o lazer no equipamento esportivo”, explica Carlos Dutra, Secretário municipal de Esporte e Lazer de Fortaleza. A escolha dos locais que irão receber requalificação passa por uma análise do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da região e os registros de violência na área. ”São nesses locais que o poder público tem que se fazer presente e tentar mudar a realidade da região por meio da inclusão social através do esporte”, argumenta Carlos Dutra, Secretário municipal de Esporte e Lazer de Fortaleza. O sucesso do programa em Fortaleza também inspirou o Governo do Ceará a levar o projeto para outras 31 cidades do mesmo Estado.

 

(City of Fortaleza)

Vantagens técnicas e ambientais

Com grama sintética, os organizadores do torneio não precisam mais interditar campos em dias chuvosos, já que o equipamento pode ser usado em qualquer condição climática. Outra vantagem é o sistema de amortecimento da grama artificial dos campos que garante a absorção dos impactos, minimizando os riscos de lesões nas articulações, aumentando o desempenho dos atletas. Certificado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA), o sistema de absorção de impacto da grama sintética é feito com pneus de borracha reciclados. Cada campo remove aproximadamente 33.000 pneus velhos do ambiente.

 

Setor Privado

(Bhrama)

O projeto de qualificação do campo de futebol também é utilizado como estratégia de marketing para grandes empresas. De olho na Copa do Mundo FIFA de 2018, na Rússia, a cervejaria Brahma decidiu criar o programa “Viva o Campinho”, que vai revitalizar 300 campos de futebol no Brasil. A marca, que já é parceira de mais de 50 clubes e patrocina a seleção brasileira há 13 anos, já reformou 77 campos no Brasil desde 2015, quando o projeto começou. “Sabemos do importante papel que o campo desempenha nas comunidades em termos de entretenimento e seu viés social, por isso decidimos abraçar a causa da reciclagem e reforma de centenas de campos em todo o país”, diz Marcelo Tucci, diretor de marketing da Brahma. “O projeto vem complementar o que já fazemos no futebol nacional e nada mais legítimo, portanto, do que a Brahma abraçar mais essa causa”, acrescenta Tucci.

 

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...