Tecnologia: o novo motor para a agricultura e o combate à fome

O uso de tecnologias digitais na agricultura já é realidade em diferentes partes do mundo. Entre essas inovações é possível citar aplicativos que permitem que agricultores monitorem pragas, técnicas hidropônicas para o cultivo de alimentos em regiões áridas e drones que avaliam o impacto de desastres naturais em plantações.

Maria Helena Semedo (Foto: FAO)

“A inovação agrícola é um elemento-chave que pode transformar radicalmente os sistemas alimentares, proporcionando oportunidades de negócios relacionadas com a agricultura, empregos para os jovens e mulheres rurais, e impulsionar o crescimento econômico nacional”, disse a diretora-geral adjunta da FAO para Clima e Recursos Naturais, Maria Helena Semedo.

A FAO, que é a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, defende a inovação como a força motriz de um mundo livre da fome e da desnutrição. Por inovação, a organização entende não só apenas o uso de novas tecnologias. É preciso utilizar produtos, processos ou formas de organização novos ou existentes. O resultado é o aumento da eficiência, da competitividade e da resiliência dos sistemas alimentares.   

Leia também: Agrishow 2019 espera superar R$ 2,9 bilhões em negócios

Combate à fome

María Helena Semedo defendeu o uso da tecnologia como motor da erradicação da fome durante sua participação na Cúpula Mundial de Inovação em Alimentos Seeds and Chips, que terminou nesta quinta-feira (9) em Milão.

Na ocasião, a agência das Nações Unidas apresentou projetos que exploram novas técnicas de cultivo e de produção para melhorar a vida dos agricultores e a oferta de comida. 350 representantes do setor privado e organizações participaram do evento.

A diretora-geral destacou a importância de se pensar, criar e promover sistemas agrícolas mais sustentáveis. Segundo ela, é necessário “mudar a forma como cultivamos, compartilhamos, preparamos e consumimos nossos alimentos”.

“O mundo precisa de um pacto global contra a obesidade, que leve em conta os alimentos tradicionais e locais. A adoção de padrões globais de dieta saudável também reduziria a proliferação de dietas pobres que permeiam nossos estilos de vida modernos”, disse a especialista

A diretora-geral ainda destacou a atuação dos agricultores familiares, que, segundo ela, produzem mais de 80% dos alimentos do mundo e administram três quartos dos recursos naturais do planeta. Ao final de maio, a FAO vai lançar a Década da Agricultura Familiar da ONU.

Soluções africanas

No continente africano, a FAO já tem apoiado iniciativas que buscam justamente buscar soluções para erradicação da fome. Na África Subsaariana, por exemplo, o FAWEWS, um aplicativo móvel, ajuda os agricultores a identificar, monitorar e administrar a lagarta do cartucho, uma praga que se alimenta das colheitas. O aplicativo também tem atuado em partes do continente asiático e funciona sem internet.

A tecnologia Blockchain também tem ajudado pequenos agricultores de café na Etiópia. Eles participam do programa FairChain e, ao aplicarem a tecnologia, conseguem manter cerca de 45% do valor de cada xícara no próprio país, número quatro vezes superior ao das multinacionais.

Leia também: Ruanda e Gana usam drones para entregar remédios em áreas remotas

Já no Quênia, algas e pele de peixes têm sido utilizadas para fabricação de roupas e acessórios. Segundo a FAO, essa prática tem gerado emprego e renda para moradores de comunidades próximas do país, como a Turkana.

Showcase de tecnologia no Brasil

O uso de novas tecnologias na agricultura foi destaque na Agrishow 2019, feira realizada entre os dias 29 de abril e 3 de maio em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. As inovações agrícolas responderam por boa parte dos R$ 2,9 bilhões em negócios movimentados no evento, que recebeu 159 mil pessoas. “Neste ano, esteve em destaque a conectividade e a tecnologia como aliadas para aumentar a produtividade e eficiência no campo e a incorporação de importantes segmentos da cadeia produtiva, como a área de insumos”, comemora Francisco Matturro, presidente da Agrishow.

A Agrishow reuniu inúmeras empresas que apresentaram seus produtos para o público presente (Foto: Agrishow/Divulgação)

Empresas dos mais variados setores apresentaram soluções tecnológicas para melhorar a produtividade no campo. Muitas dessas soluções eram voltados aos pequenos produtores. “Com a Agricultura 4.0, vivemos uma verdadeira revolução, através da robótica, inteligência artificial, internet das coisas que, embarcadas nas máquinas e implementos, estão mudando significativamente o cotidiano do agronegócio e a produtividade no campo”, diz João Carlos Marchesan, presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ).

A utilização de algumas ferramentas da agricultura digital podem, em alguns casos, reduzir em até 25% o consumo de combustíveis das máquinas utilizadas no campo. “Hoje o produtor brasileiro tem mais tecnologia que qualquer outro no mundo e se capacitou para gerenciá-la. Um exemplo é que entramos nos Estados Unidos oferecendo produtos que podem ser comparados aos implementados aqui já em 2007”, avalia o diretor de negócios internacionais da Solinftec, Emerson Crepaldi.

Hoje o produtor brasileiro tem mais tecnologia que qualquer outro no mundo e se capacitou para gerenciá-la

“Atualmente, os produtores rurais têm a conectividade e a Internet das Coisas (IoT), que ajudam no aumento da produtividade do campo, consequentemente na tomada de decisões e possibilitam o acesso e o envio de informações online da fazenda à sede, remotamente”, explica Eduardo Takeshi, gestor de Negócios de Segurança da Informação e Tecnologia da Informação da Oi. A conectividade permite ainda, segundo Takeshi, uma ação mais ágil e proativa em relação à prevenção de falhas, evitando desperdícios de recursos, além do combate a pragas, correção da acidez do solo e manutenção de máquinas e equipamentos.

De acordo com Mauro Brino Garcia, engenheiro da Verion, hoje o investimento do produtor é recuperado em um ano. “Com uso de tecnologia, há uma qualidade melhor de distribuição do adubo que gera uma economia de 10% do gasto do insumo. Isso representa uma redução de custo para o produtor de cerca 30%”.

“Ainda vemos muita fragmentação na aplicação de tecnologias no campo, refletindo negativamente no desempenho da indústria agrícola”, explica Bernardo de Castro, presidente da divisão de Agricultura da Hexagon. A empresa apresentou na Agrishow a HxGN AgrOn, uma plataforma que integra todos os sistemas já existentes.

“O uso de tecnologia é um diferencial e está ao alcance de todos. Existem opções para diversos públicos, seja pequeno, médio e grandes produtores. O investimento vale a pena pela relação custo-benefício, pois os produtos terão mais qualidade e controle e, estarão livres de doenças e pragas. A cultura irá se desenvolver melhor. No ciclo, o produtor absorve o aporte financeiro realizado”, finaliza José Antônio Picó, gerente de hortifrúti da Coopercitrus.  A cooperativa organizou um espaço para apresentação de soluções inovadoras em estufas, irrigação, insumos, máquinas, produtos, serviços, além de orientação técnica especializada para o setor.

O uso de tecnologia é um diferencial e está ao alcance de todos. Existem opções para diversos públicos, seja pequeno, médio e grandes produtores

“Estados Unidos, França e Austrália já possuem modelos colaborativos de inovação como esse. A AgroAPI Embrapa é mais uma oportunidade concreta para impulsionar a agricultura digital no País, agregando mais valor à produção agropecuária brasileira”, conta Silvia Massruhá, chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária.

O acesso à plataforma poderá ser gratuito, para uma versão degustação, ou pago de acordo com volume de requisições de APIs.

Caminho para o desenvolvimento econômico

A temática “Segurança Alimentar: caminho para o desenvolvimento econômico” será discutida no 7º Fórum Brasil África, que acontece entre os dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e tem organização do Instituto Brasil África. O Fórum foi lançado oficialmente no último dia 7 de maio, na Strathmore University Business School, em Nairóbi, no Quênia. Mais informações no site: forumbrazilafrica.com


Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...