Um “High 5” para a África

Em setembro de 2015, líderes mundiais concordaram com um ambicioso conjunto de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, com a meta de eliminar a pobreza extrema do planeta até 2030, e encarregaram os bancos multilaterais de desenvolvimento para ampliar significativamente suas atividades, aproveitando e injetando recursos financeiros que se desloquem da casa dos bilhões para trilhões. Os ODS só podem ser alcançados se puderem ser aplicados em África. Em resposta, o Banco está ampliando o financiamento em cinco áreas prioritárias: chamamos-lhes de “High 5s” – Energizar a África; Alimentar a África; Industrializar a África; Integrar a África; e melhorar a qualidade de vida para os africanos. A África tem o menor acesso à energia elétrica no mundo, com mais da metade da população sem eletricidade, em comparação com 34% na Ásia Meridional e apenas 2% na América Latina. Na África subsaariana, a taxa de acesso média é de cerca de 25%, e o cidadão comum consome menos de 200 quilowatts-hora por ano per capita em comparação com 12.954 nos EUA. Com a iniciativa do Energizar a África, recursos do Banco serão utilizados para desenvolver projetos e injetar recursos de parceiros bilaterais, multilaterais e do setor privado que ajudarão a gerar uma nova capacidade de 160 gigawatts até 2025 para fornecer acesso universal à eletricidade. A agricultura é responsável por mais de 60% dos postos de trabalho em todo o continente e, mesmo assim, contribui com apenas cerca de um quarto da renda do continente devido aos baixos índices de produtividade, o que explica os altos níveis de pobreza rural na África. Apesar de sua riqueza de terras aráveis e de água, a África é um franco importador de alimentos, com valores líquidos de importações na casa dos USD35 bilhões em 2015. Para responder a este desafio, o Banco desenvolveu uma estratégia para Alimentar a África, cujo objetivo é ajudar a eliminar importações de alimentos e tornar o continente auto-suficiente em cadeias de valor chave na agricultura até 2025. A percentagem do valor agregado na produção manufaturada global da África é de cerca de 1,5%, um número que se manteve constante ao longo da última década. Dos USD 590 bilhões que o continente exportações durante 2011-2013, 72% consistia em commodities. Isso faz com que a África seja, particularmente, vulnerável às flutuações dos preços internacionais das commodities. O Banco desenvolveu a estratégia de Industrializar a África, através do qual se pretende vencer

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...