Unesco premia o Instituto do Patrimônio Cultural de Cabo Verde

O Instituto do Patrimônio Cultural de Cabo Verde (IPC) venceu nesta segunda-feira (18) o Prêmio Internacional Melina Mercouri da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

Em nota, a agência informa que a escolha da organização se deu pela “extraordinária contribuição” para proteção, gestão e desenvolvimento do Parque Natural da Cova, Paul e Ribeira da Torre.

“É uma prioridade implementar ações para melhorar as condições de vida das comunidades, proteger o ecossistema cultural e natural e de forma sustentável”, afimou Hamilton Jair Fernandes, presidente do Instituto do Património Cultural de Cabo Verde, ao receber o prêmio da diretora-geral da agência, Audrey Azoulay.

Segundo ele, o valor do prêmio – US$ 30 mil – deve servir para criar um plano de gestão, um centro de interpretação, apoiar a formação de jovens guias turísticos e promover o empreendedorismo feminino.

O prémio foi entregue pelo Ministro da Cultura e Desporto da Grécia, Styliani Mendoni, e pela Diretora Geral da UNESCO, Audrey Azoulay, ao Presidente do Instituto do Património Cultural, Hamilton Jair Fernandes, numa cerimónia que contou com a presença do Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas que é, também, Presidente da Comissão Nacional de Cabo Verde para a UNESCO (CNU), Abraão Vicente.

O Parque Natural de Cova, Paul e Ribeira da Torre fica no leste da ilha de Santo Antão e é um dos 10 parques naturais de Cabo Verde. A região foi classificada como área protegida em 2004. A região é dominada por uma cratera vulcânica, chamada Cova, áreas de floresta, picos íngremes, vales profundos e falésias com vista para o mar. Para a Unesco, o parque “é um exemplo emblemático dos pântanos das montanhas de Cabo Verde e um dos seus ecossistemas agrícolas mais importantes.”

+ O Prêmio Internacional Melina Mercouri foi criado pela Unesco em 1995 para apoiar a proteção de paisagens culturais de ameaças como o desenvolvimento não planeado, a população escassa e as alterações climáticas. É concedido a cada dois anos.

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.