A África e o atual desafio da migração

Os movimentos migratórios são um dos maiores desafios do século XXI e são uma das questões-chave nas relações internacionais, tanto que ambos promoveram apreensões ou repressões que são feitas a partir deles. Ressalta-se, a este respeito, que a África é um continente tradicionalmente emissor, receptor e de trânsito dos migrantes, por causa da grande variedade cultural dos Estados que a compõem e a tipologia da população nômade da região. Além disso, deve-se notar que as grandes migrações africanas ocorrem dentro do próprio continente, contando muitos milhões de pessoas que procuram um futuro melhor. Em setembro de 2015, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas aprovou a nova agenda global de desenvolvimento contendo 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Entre os muitos compromissos bem-intencionados, o objetivo nº 10 procura “reduzir a desigualdade dentro e entre países” e propôs no seu alvo 10.7 “Facilitar a migração ordenada, segura, regular e responsável das pessoas, nomeadamente através da implementação de políticas de migração bem-planejadas”. A África é, sem dúvida, a região do mundo que mais precisa de todos os atores diretos e indiretos envolvidos na realização desse objetivo. Assim, embora o calendário geral projeta para 2030 o ano para uma avaliação das realizações relacionadas ao vários objetivos, neste caso, as coisas têm urgência e dizem respeito a todos. Porque no mundo globalizado em que vivemos hoje, e com as necessidades contínuas de relações dinâmicas, não é possível promover nem objetivamente apoiar o desenvolvimento dos países mais necessitados sem reconhecer a importância da livre circulação de pessoas e bens e, principalmente, facilitar a mobilidade humana levando a enriquecimentos mútuos. Para avançar na realização deste compromisso, um dos desafios atuais é a produção de estatísticas fiáveis sobre a migração, que deve ser a responsabilidade – principalmente – dos países africanos. Também é importante o reconhecimento explícito de que as migrações africanas são essencialmente internas e as saídas para o Norte, ou seja, a “países ocidentais” são minoria. Além disso, este fenômeno da migração deve ser gerido pelos próprios africanos. Eles devem, também, através das instituições apropriadas, implementar mecanismos para facilitar a integração das diferentes sub-regiões em termos de livre circulação e tratar mobilidades humanas de acordo com a diversidade dessas realidades, nomeadamente os êxodos rurais, a urbanização, deslocamento, refugiados etc.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...