Da reciclagem ao negócio no Brasil


A provada em dezembro de 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, definiu as formas de como o Brasil trata questões importantes relacionadas à destinação e ao tratamento do lixo. A legislação, criada após décadas de discussões entre gestores públicos, acadêmicos e ambientalistas, procurava incentivar a reciclagem e a sustentabilidade, adequando o País às normas internacionais. Uma das medidas trazidas pela nova Lei é a adoção dos aterros sanitários como unidades de disposição final de rejeitos. Em 2008, a disposição adequada era uma realidade de apenas 1092 dos 5.565 municípios existentes até então.

Os dados são da Pesquisa Nacional do Saneamento Básico, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2014, o número cresceu para 2.215, segundo um levantamento consolidado pelo Ministério do Meio Ambiente. Ou seja, o número mais que dobrou em apenas sete anos. Apesar dos bons resultados apresentados, o desafio ainda é grande, pois estima-se que o Brasil ainda conta com mais de 3,3 mil municípios dispondo os resíduos e rejeitos nos chamados “lixões”.

“A política é inovadora, traz o conceito de responsabilidade compartilhada, porque a responsabilidade pelo resíduo não é apenas de quem o produz ou de quem o consome, mas de ambos. Trabalha também com a organização da cadeia de resíduos e trouxe o conceito de logística reversa, que é o processo de levar o resíduo ao seu destino final”, defende o especialista Ricardo Lopes Garcia, do departamento de meio ambiente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), que participou do desenvolvimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos desde o ano 2000, sobretudo nas discussões que envolvem questões voltadas aos resíduos industriais. Segundo o especialista, o setor industrial, anteriormente à Lei, já havia colocado os materiais residuais pós-consumo em outro patamar.

Garcia acredita que existe uma série de gargalos estruturais que necessitam ser transpostos, que se resumem a dois dois grandes desafios. O primeiro é uma mudança de postura e tratamento do material, olhando-o como um bem econômico e não como lixo. “Não tratamos o lixo como lixo, mas sim como subproduto que deve ser minimizado na geração e, quando isso não é possível, tentar reciclá-lo”, diz. O outro é a de realmente tratar os resíduos e não somente afastá-los do local de geração e jogá-los sem nenhum tratamento. “Essa valorização passa por medidas de tratamento fiscal e tributário diferenciados, linhas de financiamento para empreendimentos e aquisição de equipamentos, linhas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias nacionais ou nacionalizadas e uma mudança de postura de órgãos de controle”, propõe.

Apesar de ser considerado um grande avanço ao colocar que é preciso valorizar o resíduo antes de encaminhá-lo para qualquer aterro sanitário, a Política Nacional de Resíduos Sólidos ainda possui um grande caminho a percorrer. “As políticas públicas existem, elas são poucas e geralmente focam nesse sistema que é linear. Ainda falta colocar em prática e estabelecer regras práticas do que fazer com o resíduo quando coletado”, acredita Gabriela Otero, coordenadora técnica da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), entidade que reúne 45 empresas que prestam serviço de limpeza pública. Segundo ela, ressignificar o lixo contribui para uma série de atividades que geram emprego e renda para milhões de pessoas e, principalmente, diminui a demanda por aterros sanitários, um vez que esses equipamentos possuem um vida útil de 20 anos, em média.

PROPOSTAS E CONTRIBUIÇÕES

Desde 2003, a Abrelpe publica um documento chamado Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. O texto mostra a evolução da temática no País. A entidade também desenvolveu uma proposta para a universalização da gestão de resíduos, um estudo sobre o potencial de geração de energia elétrica em aterros sanitários e um manual de treinamento para gestores públicos elaborarem planos integrados. “Grupos de municípios muito pequenos podem se reunir e elaborar suas políticas públicas regionais”, descreve Gabriela Otero.“Isso é algo que ainda avança, existem políticas, mas ainda não são suficientes para regrar toda a dimensão do setor”.

Além disso, através da ISWA (The International Solid Waste Association), a Abrelpe vem estabelecendo um diálogo com outros países sul-americanos, como Argentina, Chile, Colômbia e Bolívia. “O Brasil tem um dimensão que nós não conseguimos extrapolar para outros países aqui, por toda sua complexidade. Mas certamente traz inspirações”, destaca. Além disso, existe uma parceria com órgãos norte-americanos nos temas de aproveitamento de biogás, com a Inglaterra em questões de aproveitamento energético de resíduos, com a Itália sobre tratamento dos orgânicos e com Portugal sobre ferramentas de comunicação na gestão de resíduos. “A Ásia tem bastante interesse em se aproximar de nós, especialmente por questões comerciais para transferência tecnológica, mas isso não é nada concreto”, revela. “Nós temos também relacionamento com a Dinamarca, em termos de planejamento de serviço público”.

A FIESP também tem procurado se movimentar nesse sentido. “Temos diversos projetos, como a bolsa de resíduos, uma espécie de classificados de resíduos para associados e não associados”, conta Ricardo Lopes Garcia. “Também estamos à procura de acordos internacionais e trocamos ideias com diversos setores questões como suporte, geração, reciclagem e destinação do resíduo”.

NA LINHA OFICIAL, ENTRE O APOIO E AS LIMITAÇÕES

O Ministério do Meio Ambiente revelou à ATLANTICO que tem atuado na capacitação de gestores e técnicos municipais no desenvolvimento de planos de resíduos sólidos e tem dado apoio técnico e financeiro aos estados, consórcios públicos e municípios em suas elaborações. Diversos municípios estariam apresentando dificuldades técnicas para elaborar projetos de engenharia adequados e suficientemente detalhados para aprovação pelos órgãos financiadores, o que motivaria esse trabalho de capacitação, de acordo com o órgão oficial.

“A política trouxe essa visão de um sistema circular. É preciso pensar a volta do resíduo para o início do ciclo industrial, como também trouxe as responsabilidades que não são só dos municípios e das empresas mas que também são do cidadão. Então ele também tem uma parte fundamental, que é diminuir o seu consumo e se tem que consumir, que seja com responsabilidade, saber onde dispor seu resíduo e cada tipo de resíduo no lugar certo e cobrar das autoridades algo que seja feito”, comemora Gabriela Otero, da Abrelpe. “Cada ente da sociedade passa a ter um papel mais claro e isso é um diferencial bastante elogiado fora do país, nossa responsabilidade compartilhada”.

PRINCIPAIS EIXOS DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Fechamento de lixões: até 2021 não devem mais existir lixões a céu aberto no Brasil. No lugar deles, devem ser criados aterros controlados ou aterros sanitários. Os aterros têm preparo no solo para evitar a contaminação de lençol freático, captam o chorume que resulta da degradação do lixo e contam com a queima do metano para gerar energia;

Só rejeitos poderão ser encaminhados aos aterros sanitários: Os rejeitos são aquela parte do lixo que não tem como ser reciclado. Apenas 10% dos resíduos sólidos são rejeitos. A maioria é orgânica, que em compostagens pode ser reaproveitada e transformada em adubo, e reciclável, que deve ser devidamente separada para a coleta seletiva;

Elaboração de planos de resíduos sólidos nos municípios: os planos municipais serão elaborados para ajudar prefeitos e cidadãos a descartar de forma correta o lixo.

NOVOS PRAZOS PARA ANTIGOS DESAFIOS

Política Nacional dos Resíduos Sólidos previa inicialmente o fechamento de todos os lixões do País até agosto de 2014. Contudo, o Senado aprovou novos prazos para o fim dos espaços, “de acordo com a realidade dos municípios”, segundo o texto da lei aprovada pelos congressistas.

As cidades com população inferior a 50 mil habitantes terão prazo maior, enquanto as capitais de estado terão prazo mais curto. Assim, as capitais e municípios de região metropolitana terão até 31 de julho de 2018 para acabar com os lixões. Os municípios de fronteira e os que contam com mais de 100 mil habitantes, com base no Censo de 2010, terão um ano a mais para implementar os aterros sanitários.

As cidades que têm entre 50 e 100 mil habitantes terão prazo até 31 de julho de 2020. Já o prazo para os municípios com menos de 50 mil habitantes será até 31 de julho de 2021. A emenda também prevê que a União vai editar normas complementares sobre o acesso a recursos federais relacionados ao tema. “O maior desafio é transformar esses lixões em locais de tratamento e reaproveitamento desses materiais, utilizando, por exemplo a produção de energia elétrica a partir desses materiais que, por motivos econômicos ou técnicos, não são viáveis de retornarem à cadeia de produção”, explica Ricado Lopes Garcia, da FIESP.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...