A África através dos quadrinhos: o mercado geek está em alta no continente

O mundo sempre contou história por meio de ilustrações. Na pré-história, por exemplo, a comunicação se dava através da arte rupestre nas cavernas. Nos tempos atuais, os quadrinhos diversificaram e democratizaram a disseminação de ilustrações com o intuito de contar histórias. Países como Japão e Estados Unidos fizeram dessa arte uma indústria gigantesca. Já na África, diversos talentos têm surgido a fim de contar a história africana sob outra perspectiva além de ressignificar o gênero. Misturando a tradição africana e o universo fictício dos super-heróis, alguns nomes vem aos poucos ganhando espaço e acumulando uma legião de fãs. 

Malika Warrior Queen Fonte: YouNeek Studios

“Os quadrinhos criados na África contam a história autêntica da perspectiva do africano. Eles são mais ricos em simbolismo e imagem, dada a história do continente e incluem temas como colonialismo, neocolonialismo e o racismo, que pode não ser tão prevalente ou matizado quanto na África. Os quadrinhos refletem todas as facetas da experiência africana e comunicam a narrativa africana da melhor maneira possível”, afirma Eugene Ramirez Mapondera.

Tinodiwa Makoni e Eugene Mapondera fundadores da Comexposed

Eugene é diretor criativo na Kay Media Africa, uma empresa de audiovisual e animação sediada no Zimbábue. Ele também é fundador da plataforma Comexposed e da Comexposed Converge, uma convenção sobre artes digitais e inovação. Mapondera disse à ATLANTICO que seu trabalho é mostrar o trabalho de artistas africanos garantindo um espaço para que eles troquem experiências e divulguem seus trabalhos. 


Kofi Sydney Asare Fonte: Arquivo Pessoal

Assim como Comexposed, existem outras plataformas e publicações voltadas aos fãs de quadrinhos. Baseada em Gana, a Squid Magazine, por exemplo, é uma publicação online que apresenta o acervo dos novos artistas. Além disso, apresenta entrevistas com quadrinhistas de maior notoriedade e reportagens sobre o cenário geek africano.


Kadi Yao Tay Fonte: Arquivo Pessoal

“Estamos começando a compartilhar nossa narrativa, a compartilhar como vemos o mundo e como o mundo deve nos ver” comemora Kadi Yao Tay, editor da plataforma. A revista online foi fundada junto com seu amigo Kofi Sydney Asare, ambos de Gana, e hoje conta com a colaboração dos nigerianos Cassandra Mark e Tobi Oluwafemi e ocasionais contribuições do zimbabuense Bill Masaku.

A paixão por quadrinhos atravessa o continente e consegue reunir fãs em eventos realizados em diversos países. Dentre as conferências mais conhecidas estão o NAICCON (Quênia), Lagos Comic-Con (Nigéria), Mboa BD (Camarões) e Comic-Con Africa (África do Sul). 

“Eu cresci lendo gibis, mas sempre achei que os quadros pintados ali estavam distantes da minha realidade de menino que morava na África Subsaariana. Sempre ansiava por histórias que atraíssem a criança africana e aproveitei a oportunidade para escrever histórias em quadrinhos. No começo, pensei que os quadrinhos não despertavam nenhum interesse entre os habitantes locais. Para minha surpresa, há toda uma comunidade de histórias em quadrinhos de amantes, que ansiavam pelo lançamento de histórias em quadrinhos africanas e zimbabuanas, assim como eu”, compartilha Eugene  Ramirez Mapondera.

Publicações 

Duas editoras hoje ganham espaço de destaque nesse cenário ainda em crescimento: as nigerianas Comic Republic e a Kugali Media, ambas especializadas na distribuição de quadrinhos em forma digital.

A Kugali Media  é uma plataforma online que oferece 4.000 antologias de quadrinhistas africanos para um número estimado de 2.500 leitores de 20 diferentes países diferentes. A companhia é financiada por uma combinação de subsídios do governo nigeriano, de uma campanha de financiamento coletivo e da vendas de livros.

Kugali Magazine Fonte: Kugali Media

Fundada em 2013, a editora Comic Republic também tem  ganhado espaço na distribuição digital de quadrinhos. Ela tem como principal personagem um super herói, o Guardian Prime, criado pelo quadrinista nigeriano Jide Martin. Segundo o autor, a ideia do herói é mostrar um olhar positivo sobre seu país.

Guardian Prime Fonte: Comic Republic

Multimídia

Quadrinistas e editoras estão de olho em um outro filão: o do setor audiovisual.  A série de quadrinhos de sucesso “Malika – Warrior Queen”, por exemplo, virou um curta-metragem em 2019. A produtora do filme, YouNeek Studios e o criador da personagem, o nigeriano Roye Okupe, que também escreveu e dirigiu o filme querem expandir a história de Malika para um longa-metragem e espera encontrar espaço na indústria cinematográfica de Nollywood.

O estúdio YouNeek arrecadou mais de US$ 70.000 na plataforma de financiamento Kickstarter para que outras séries de quadrinhos também possam virar filme, como E.X.O., WindMaker e Iyanu. Além disso, nos últimos três anos o estúdio  vendeu mais de 100.000 cópias de histórias em quadrinhos e graphic novels.

O estúdio YouNeek quer repetir o sucesso da série Supa Strikas (ou Super Strikas, em alguns países), uma série de histórias em quadrinhos sul-africana que fala sobre o universo do futebol. Considerada uma das HQs de maior circulação do mundo com mais de 1,4 milhão de cópias vendidas em 16 países, o título virou uma série animada em 2009, fruto de uma parceria entre a editora  Strika Entertainment e o estúdio Animasia.

Super Strikas Fonte: Strika Entertainment/Animasia

“Atualmente, Nigéria, Quênia, África do Sul, Zimbábue, Camarões e Uganda são os principais produtores de quadrinhos e animação, especialmente”, acrescenta Kadi Yao Tay. “À medida que a indústria toma forma, posso vê-la ficando muito competitiva, resultando em histórias muito únicas que irão capturar o mundo da mesma forma que mangá e anime”. 

Mercado geek em ascensão

Em sua sexta edição no Brasil, a Comic Con Experience (CCXP) reuniu 280 mil pessoas na cidade de São Paulo durante quatro dias em dezembro de 2019. Na África do Sul, a Comic Con Africa recebeu mais de 45.000 visitantes, 212 expositores em sua edição inaugural em 2018. 

Comic Con Africa Fonte: Divulgação

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

Rio de Janeiro terá exposição de Arte Iorubá

A Casa de Herança Oduduwa recebe a partir do mês de Agosto uma exposição de peças milenares da cultura iorubá. A mostra de arte...