A atualidade de Arraes

O ano de 2016 registrou o centenário de nascimento de Miguel Arraes, celebrado no dia 15 de dezembro, os 10 anos do Instituto Miguel Arraes e os 40 anos da Declaração Universal dos Direitos dos Povos, escrita em 1976, em Argel, com a contribuição de Arraes. A colaboração de Miguel Arraes aos movimentos de libertação que lutaram pelo fim da colonização foi maior nos países de língua portuguesa. Em Angola, Moçambique, Guiné, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe houve um relacionamento estreito e colabação com a luta da libertação desses países. Esteve presente, a convite do amigo Samora Machel, quando a bandeira de Moçambique foi hasteada na sua libertação. A África do Sul, Namíbia e Argélia também foram temas de suas atenções. Arraes foi imigrante do Araripe para o Recife e, posteriormente, esteve exilado por 14 anos na Argélia, no norte da África, onde conheceu a dura vida dos imigrantes e refugiados. Ele foi, também, uma das principais testemunhas, e quase vítima, da “Operação Condor”, aliança político-militar existente nas décadas de 1970 e 1980 para reprimir e eliminar líderes políticos opositores às ditaduras dos países da América do Sul. Arraes foi um político que sempre deu à causa da água e à democratização da sua utilização um grande relevo. Foi a sua luta que evitou a privatização da Chesf e, por consequência, do Rio São Francisco. Resgatou a ideia da Transnordestina, trabalhou a questão da eletrificação, a questão fundiária, entre outros assuntos relevantes. Arraes foi o maior laboratório de projetos sociais do Brasil. Foi do Chapéu de Palha, em que o trabalhador recebia, mas trabalhava, à fundação do Lafepe, projeto inovador na criação de um laboratório para fazer medicamentos para os pobres. Neste ano que se inicia, o Brasil precisa reencontrar o seu caminho e fazer uma agenda mínima em torno dos verdadeiros interesses do povo brasileiro. O Partido Socialista Brasileiro – PSB, inspirado em Arraes, tem um importante papel neste cenário nacional e precisa vencer a crise de identidade que a esquerda vive, formulando um projeto novo que leve em consideração uma nova divisão daqueles que vivem no conforto, e se beneficiam da globalização, e os que não têm conforto e não se beneficiem dela. A casa de Magdalena e Miguel Arraes, no bairro de Casa Forte, no Recife, fez história, foi, e é, com o Instituto Miguel Arraes – IMA, uma faculdade aberta de política. Um povo não pode dizer adeus à sua história. Miguel Arraes vive e deixou um legado de luta e resistência.

“ARRAES FOI UM POLÍTICO QUE SEMPRE DEU À CAUSA DA ÁGUA E À DEMOCRATIZAÇÃO DE SUA UTILIZAÇÃO UM GRANDE RELEVO”

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...