Brazil Africa Forum

Cape Town: o dia zero para o colapso hídrico

Após três anos de seca, em 2018, a Cidade do Cabo, na África do Sul, enfrentou uma crise hídrica sem precedentes. Com o risco eminente de se tornar a primeira grande metrópole do mundo a ficar sem água, a cidade tomou várias medidas para contornar a crise. 

O governo sul-africano então estabeleceu o Dia Zero para 16 de abril de 2018. Nesta data, toda a distribuição de água seria interrompida para casas e comércio, com exceção de hospitais, escolas e algumas poucas instituições fundamentais ao funcionamento da cidade. Depois disso, os habitantes teriam de buscar água, diariamente, em 200 postos espalhados pelo município, onde poderiam captar no máximo 25 litros. A data foi adiada para 15 de julho do mesmo e, por fim, acabou sendo cancelada – ou postergada, caso não seja possível reverter o quadro de seca.

Day Zero: soluções para o fim da crise

Em 2017 foi registrado o inverno mais seco da história da cidade, um fenômeno que climatologistas locais afirmam só ocorrer a cada mil anos. Após entrar em estado de crise no começo de 2018, no inverno do mesmo ano as chuvas voltaram e garantiram o fornecimento hídrico por pelo menos mais um ano.

Mas não foi apenas a chuva que contribui na recuperação da crise. Várias medidas foram tomadas para ajudar a cidade. A prefeitura, junto com a população, formou um comitê para lidar com a situação. Duas estratégias foram traçadas: diversificar o abastecimento hídrico e reduzir a demanda de água. 

Reservatório de Theewaterskloof com aproximadamente 12% de sua capacidade em 10/02/2018 Foto: Wikipedia

“Atualmente, as barragens que abastecem a cidade estão quase 80% cheias depois de uma chuva de inverno decente combinada com um consumo muito baixo após a seca. Isso nos dá um bom amortecedor contra curtos períodos de baixa precipitação no curto prazo” informou em entrevista cedida a ATLANTICO, a prefeitura da Cidade do Cabo. Também foi destacado as medidas específicas que vêm sendo,“A cidade está trabalhando em vários projetos para fornecer água extra para a Cidade do Cabo, incluindo projetos para aproveitar as fontes de água subterrânea de forma sustentável, projetos para reutilizar águas residuais e, a longo prazo, dessalinização em larga escala”.

Em uma matéria publicada pela revista da University of Cape Town, o pesquisador Kevin Winter, do Future Water Institute, que faz parte da instituição, fez um balanço do que foi aprendido durante a crise. Ele destaca a importância de diversificar as de obter a tratar a água para armazenamento e distribuição. A diversidade ajudaria a uma adaptação mais rápida no caso de mudanças climáticas. Winter, também aponta a fragilidade do sistema barragens de armazenamento, e a importância do reuso da água. 

Cidade do Cabo, Foto: Wikipedia

Dr. Kevin Winter também reforça a necessidade  de manter informações e dados atualizados. Assim como o papel crucial do governo em criar uma rede de confiança com a população, a rede privada, e a comunidade acadêmica. Criando um diálogo direto com espaço para cooperação.

Como parte das soluções para superar a crise novas tecnologias foram implantadas, como a dessalinização, a recuperação de água de esgotos e a perfuração de poços em aquíferos. Restrições ao consumo como o reajustes de tarifa e um sistema de gerenciamento de pressão foram estabelecidas. Dessa forma em 18 meses a cidade reduziu o consumo em mais de 50%.

Enquanto isso a cidade promove a campanha “Think Water”,uma iniciativa da prefeitura para manter a população informada sobre as questões relacionadas a água. Como por exemplo informes sobre os  níveis do reservatório, conscientização para o uso, e informações para sobre as regulamentações e restrições. 

“Sabemos que, para manter o consumo baixo, a comunicação contínua é fundamental.” Destaca a prefeitura, ao se referir a campanha, que têm destaque em todas as mídias sociais oficiais, e informa a população diariamente sobre os níveis do reservatório de água da cidade e as previsões para os dias seguintes. 

Leis de restrição de uso da água continuam em vigor, e um novo documento com validade a partir do dia primeiro de março de 2019 foi lançado. O conjunto de restrições é baseado no acordo chamado “Water By-law” criado em 2010 e revisado em 2018 após a crise hídrica. 

Newlands Spring, Cidado do Cabo Foto: Wikipedia

“Embora a cidade tenha relaxado a meta de consumo de água para 650 milhões de litros por dia, o consumo ainda gira em torno de 600. Isso provavelmente indica que algumas das mudanças que os residentes fizeram para reduzir seu consumo de água e resíduos provavelmente persistirão.” Aponta a prefeitura, ao se referir aos resultados alcançados pela população.

Um plano estratégico para a água foi elaborado pela prefeitura e lançado dia 30 de maio deste ano,e aberto para consulta popular. As estratégias apresentadas têm como objetivo estabelecer acesso seguro à água e saneamento, uso consciente da água, a garantia de água suficiente e segura de diversas fontes, e benefícios compartilhados de recursos regionais. O plano prevê criar uma cidade mais consciente em relação ao manejamento da água até 2040.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...