Encontro anual do Banco Africano de Desenvolvimento tem início na Guiné Equatorial

Para integrar a África, é preciso derrubar os muros”. Foi com essa frase que Akinwumi Adesina, presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB, em inglês), deu início a edição 2019 do Encontro Anual da Organização. Com o tema “Integração Regional para Prosperidade Econômica da África”, o evento acontece em Malabo, capital da Guiné Equatorial, até a próxima sexta-feira (14).

O Encontro Anual do Banco Africano de Desenvolvimento acontece justamente quando a proposta da Área de Livre Comércio no continente atingir quórum mínimo para entrar em vigor. “Separada e dividida, a África está enfraquecida. Juntos e unidos, a África será imparável”, argumentou o presidente do banco.

LEIA TAMBÉM: Área de Livre Comércio da África (AfCFTA) entra em vigor

O presidente da Guiné Equatorial, Obiang Nguema Mbasogo, também argumentou que desenvolvimento não significa apenas aumentar os rendimentos per capita da população, é preciso garantir que todos tenham oportunidades dignas. “A Guiné Equatorial está aberta para negócios. Estamos comprometidos com a integração regional para a prosperidade compartilhada”, disse.

Durante a semana do encontro, o Banco espera receber mais de duas mil pessoas, entre chefes de estado, ministros, investidores, entre outros representantes de mais de 50 países.

Novidades tecnológicas

O Banco Africano de Desenvolvimento anunciou durante o início do encontro que está lançando um fundo que aplicará US$ 100 milhões em doações e US$ 300 milhões em forma de dívida dos recursos de capital ordinário do banco até 2030. Com a ação, se espera que 320 milhões de africanos possam ter acesso a serviços financeiros digitais.

LEIA TAMBÉM: AfCFTA: Ministros do Comércio abrem caminho para o operacionalização

Segundo estatísticas do banco, a quantidade de africanos com contas em bancos ainda é inferior a 50%. A ação, chamada de “Instrumento Digital de Inclusão Financeira da África” (ADFI, em inglês) pretende criar um sistema de pagamento digital interoperável que permitirá aos consumidores enviar e receber dinheiro entre carteiras digitais, e dessas carteiras para outras contas digitais e bancárias.

“Com a ADFI, estamos convencidos de que nossos esforços conjuntos podem contribuir de forma eficiente para derrubar as barreiras que ainda prejudicam todo o potencial do financiamento digital na África. Melhorará a prestação de serviços financeiros digitais de qualidade e responsáveis para os desfavorecidos, uma pedra angular para sistemas financeiros inclusivos e sustentáveis”, disse Sébastien Minot, Vice-Chefe do setor africano da Agência Francesa de Desenvolvimento, uma das investidoras do projeto.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...