Quênia e Etiópia repensam políticas públicas para bioenergia

Apenas 25% da população africana tem acesso a combustíveis e energia limpos para cozinhar. O dado é de um estudo recente elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela União Africana. O documento também propõe estratégias para acelerar a transição para fontes de energias renováveis.

Funcionários e especialistas dos governos da Etiópia e do Quênia foram beneficiados com um projeto de qualificação do PNUMA, realizado em parceria com a  Iniciativa Internacional para o Clima. O projeto fornece assistência técnica para avaliar a sustentabilidade dos setores de bioenergia e desenvolver uma capacidade para monitoramento periódico a longo prazo.

Serão usados 24 indicadores para avaliar os impactos ambientais, sociais e econômicos da produção e uso de bioenergia. Os resultados desses indicadores serão usados ​​para facilitar o processo de tomada de decisão.

Fekadu Beyene

“Essas descobertas ajudam a melhorar nosso conhecimento e entendimento geral sobre o setor de bioenergia da Etiópia e servem como ponto de partida para melhorar a sustentabilidade desse setor e apoiar políticas eficazes de bioenergia sustentável como parte das estratégias de desenvolvimento de baixo carbono”, disse Fikadu Beyene, Comissário de Meio Ambiente, Florestas e Mudanças Climáticas na Etiópia.

99 milhões de pessoas na Etiópia fazem usam a biomassa para cozinhar. O acesso à energia moderna, a redução da pobreza e a melhoria da saúde são alguns dos benefícios potenciais que o biogás e outras alternativas à biomassa podem trazer. 

Mulher carrega lenha na vila de Kereita, no Quênia. (Tabitha Obara/ ICRAF)

No Quênia, o projeto ajudou a avaliar o potencial atual e futuro do setor de bioenergia em dois aspectos: o uso de resíduos do bagaço da cana de açúcar pela indústria de chá e a produção de carvão vegetal de florestas, bosques e terras agrícolas para uso doméstico. A indústria de chá consome quase 1 milhão de toneladas de lenha por ano, ou mais de 4% do volume de lenha consumido anualmente no Quênia. “Os resultados do projeto oferecem uma melhor compreensão do impacto ambiental, social e econômico do uso de bioenergia e auxiliam no gerenciamento sustentável desse importante recurso nacional “, afirma Charles Mutai, diretor do  Diretório de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente e Florestas.

O consumo de energia no Quênia é dominado pela biomassa, seguida do petróleo e derivados, a geotérmica e outras energias renováveis, segundo dados do governo queniano. A biomassa supre mais de 90% das necessidades de energia das famílias rurais do País e mais de 43 milhões de pessoas dependem do uso tradicional de biomassa para cozinhar no país.

Prejuízos para a saúde

4 milhões de pessoas morrem todos os anos por  conta da poluição causada pelo uso da lenha usada como combustível  nas residencias, segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS). O dado ajuda a justificar o desenvolvimento de alternativas energéticas mais eficazes e seguras.).

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

O futuro das relações entre Brasil e África é promissor, segundo Hamilton Mourão

"As relações com a África são e serão prioritárias para o Brasil e o para os brasileiros", declarou o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, durante a cerimônia de abertura do Fórum Brasil África 2019.