EUA anunciam US$ 38 milhões para conter o surto de Ebola na República Democrática do Congo

Os Estados Unidos, através da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) estão fornecendo mais de US$ 38 milhões em assistência adicional para ajudar a acabar com o surto de Ebola no leste da República Democrática do Congo (RDC), incluindo US$ 15 milhões em novos financiamentos para a Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso eleva o total do financiamento da USAID para a resposta ao Ebola a mais de US$ 136 milhões desde o início do surto, em agosto de 2018.

Foto: Kellie Ryan/International Rescue Committee

Com esse financiamento, os Estados Unidos estão fornecendo, por meio de parceiros locais, atividades para prevenir e controlar infecções em instalações de saúde, vigilância aprimorada para a doença, treinamento para profissionais de saúde, esforços de engajamento da comunidade, promoção de enterros seguros e dignos – além de comida – para apoiar pessoas e comunidades afetadas pelo Ebola. Além disso, os Estados Unidos estão financiando esforços críticos de preparação nos países vizinhos, como Burundi, Ruanda, Sudão do Sul e Uganda. O financiamento anunciado hoje é adicionado às contribuições de outros departamentos, agências e do setor privado dos EUA.

Foto: Laura Stana/IMC

O atual surto de Ebola é o segundo maior já registrado, com 2.592 casos confirmados e prováveis e pelo menos 1.743 mortes relacionadas a partir de 22 de julho. A RDC lutou e controlou com sucesso outros nove surtos de ebola, com a ajuda da comunidade internacional. No entanto, essa resposta tem um conjunto único de obstáculos devido ao conflito em curso nas províncias de Kivu do Norte e Ituri. A insegurança contínua e a dificuldade em ganhar a confiança da comunidade são grandes obstáculos. Uma resposta robusta e unificada do governo da RDC, das Nações Unidas, de outros países vizinhos, dos Estados Unidos e da comunidade internacional em parceria com as comunidades locais é fundamental para impedir a disseminação da doença.

USAID Administrator Mark Green at the Katwa Ebola Treatment Unit in the Democratic Republic of the Congo. 


Uma equipe formada por especialistas em desastres e saúde da USAID e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA está no terreno desde setembro de 2018, trabalha com a Embaixada dos EUA em Kinshasa, parceiros humanitários e o governo da RDC para colocar esse surto sob controle. ao controle.

+ Os Estados Unidos são o maior doador individual do país para a resposta ao Ebola.


Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Paulo Rogério Nunes: criatividade, inovação e “baianidade”

Uma das maiores do Brasil e considerada a cidade mais negra fora do continente africano, Salvador tem se destacado por conta das iniciativas ligadas...