Vizzia estuda investir no mercado africano de calçados

Sediada na região do Cariri, no Estado do Ceará um dos maiores polos de fabricação de calçados do Brasil,  a empresa Vizzia quer incluir a África em seu radar. Consolidada no mercado brasileiro, onde já existe há duas décadas e emprega diretamente cerca de 400 funcionários, a empresa quer seguir  os passos de alguns de seus concorrentes. Entre elas a gaúcha Bottero, que vende para a África do Sul e Moçambique, e a Beira Rio, que atua nos países árabes do continente, como Egito, Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia.

“Já vendemos para todo o Brasil e  para alguns países da América do Sul e do Oriente Médio. Temos também prospecções de negócios com a Europa, mas ainda não temos nada realizado por lá”, conta o empresário Glaidston Gonçalves de Lucena, dono da empresa. 

A busca pelo mercado externo é uma tendência seguida por muitos fabricantes brasileiros de calçados. O mercado doméstico, responsável pela absorção de mais de 85% do total produzido pelo setor (mais de 940 milhões de pares por ano), está em baixa. No primeiro semestre do ano – no comparativo com igual período do ano passado — indicadores elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) apontam para quedas de 0,4% nas vendas. 

Glaidston Gonçalves de Lucena

O dono da Vizzia atribui à recessão econômica a responsabilidade por essa crise. “O poder aquisitivo do povo diminuiu”, reclama.  “Nosso produto, como não é de valor agregado muito alto, ainda consegue se manter. Mas os outros não estão conseguindo”. 

Por outro lado, as exportações cresceram 8,2% em volume e 3,6% em receita entre janeiro e julho deste ano, se comparada ao mesmo periodo do ano passado.  “Nossa equipe tem viajado constantemente, nosso setor comercial não para. Não podemos ficar esperando. É esse esforço que ainda tem nos ajudado a continuar com números próximos aos do passado”, afrima Glaidston Gonçalves de Lucena.

À ATLANTICO, ele confirma que sua equipe já estuda desembarcar seus produtos no mercado africano. “Nossos produtos se encaixam perfeitamente ao clima da África. Temos sandálias abertas, boas para o clima tropical. Então o que falta para irmos é o acesso correto, chegar nos compradores. Ainda não encontramos pessoas com as qualificações ideais para conseguir adentrar nesse mercado”, revela.


Um produto da Vizzia

Em Juazeiro do Norte, as primeiras fábricas de calçados surgiram na década de 1970, ainda improvisadas nos quintais das casas, e começaram a se desenvolver a partir da década de 1990. O setor já possuiu 250 indústrias e empregar 15 mil pessoas na região.  “Nesses últimos quatro anos tivemos uma queda absurda. Praticamente 50% das fábricas de calçados fecharam, e isso tem atingido o país todo, tanto em empresas pequenas como em empresas de grande porte”, lamenta Glaidston Gonçalves de Lucena.

O Ceará ocupa o segundo lugar no ranking dos estados que mais exportam calçado exportado. Foi de lá onde partiram, nos oito primeiros meses de 2019, 26 milhões de pares que geraram US$ 160,4 milhões. O estado perde para  o Rio Grande do Sul, que segue sendo o principal exportador de calçados do Brasil, abocanhando 46% do total gerado com os embarques em 2019.  

Com reportagem de Emanuel de Macêdo

Chico Carneiro, entre Amazônia e Moçambique, tudo vira filme

O cineasta brasileiro Chico Carneiro saiu do Brasil, mais precisamente da região amazônica, atravessou o oceano e foi parar em Moçambique, não apenas fazendo filmes, mas vivendo cinema.

Fórum Brasil África reunirá autoridades do governo brasileiro e de países africanos

O vice presidente brasileiro Hamilton Mourão, assim como diversas autoridades de governos africanos estarão presentes no Fórum Brasil África 2019. O fórum acontece nos dias 12 e 13 de novembro em São Paulo, e vai reunir também representantes do setor privado e da academia além de potenciais investidores. Em sua sétima edição, o tema do evento será “Segurança alimentar: caminho para o crescimento econômico”.

Brasil coopera com o Zimbábue para desenvolver cultura do algodão

O Brasil ocupa lugares de destaque tanto na produção como na exportação de algodão, atraindo diversos parceiros interessados em fortalecer o setor algodoeiro. O mais recente país a buscar o apoio do Brasil é o Zimbábue. Foi assinado um acordo entre os dois países para garantir capacitação e também a transferência de tecnologias brasileiras em algodão para o país africano.

Ipea discute oportunidade de negócios entre Brasil e África

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) estará presente no Fórum Brasil África 2019 promovendo uma discussão sobre o potencial de negócios entre Brasil e os países africanos. Em um side event chamado “Desafios para o aprofundamento da cooperação entre o Brasil e os países africanos”, o instituto promoverá um debate com autoridades e representantes do setor econômico.

Rio de Janeiro terá exposição de Arte Iorubá

A Casa de Herança Oduduwa recebe a partir do mês de Agosto uma exposição de peças milenares da cultura iorubá. A mostra de arte...