YTTP: um programa para transformar jovens africanos

Alunos do YTTP no primeiro dia do curso com o presidente do Instituto Brasil África, João Bosco Monte

Aconteceu no dia 14 de setembro de 2107, na sede do Banco Africano de Desenvolvimento, Abidjan, Costa do Marfim, a cerimônia que deu o pontapé inicial para um programa que visa contribuir para o desenvolvimento socioeconômico do continente africano. Chamado Young Technical Training Program (YTTP), o programa vai treinar jovens africanos em instituições do Brasil nas mais diversas áreas do conhecimento, como Tecnologia da Informação, Saúde, educação, infraestrutura e indústria criativa. A primeira turma do programa, com apoio do próprio AfDB e da Embrapa, terá agricultura como foco. “Estou otimista de que este programa mude a fortuna dos jovens africanos”, declara Sidi Touré, ministro da Juventude e Emprego da Costa do Marfim. A África possui um contingente de 420 milhões de jovens de 15 a 35 anos. Assim, o protagonismo juvenil é essencial para atingir os objetivos de desenvolvimento econômico e sustentável do continente. O Brasil, como pólo de crescimento global emergente, possui conhecimento e experiência que os países africanos precisam para aprender em diversas áreas de especialização. “O Brasil fornece uma rica fonte de conhecimento e experiência que os países africanos podem aproveitar em vários campos de especialização”, garante Chiji Ojukwu, diretor de Agricultura e Agroindústria do Banco Africano de Desenvolvimento. “O setor agrícola, em particular, foco da classe inaugural do YTTP, é uma área onde o Brasil tem estado na vanguarda da transformação e geração de conhecimento. Ele conseguiu desenvolver com sucesso um importador líquido de alimentos para não apenas alcançar a segurança alimentar, mas também se tornar um dos maiores exportadores mundiais de commodities agrícolas. Esta revolução verde é um objetivo que os países africanos também procuram alcançar, daí a colaboração com o Brasil é altamente benéfica”. Para esta primeira etapa, foram selecionados 30 jovens de 18 a 35 anos, provenientes de 16 países. Eles receberão treinamento sobre a cadeia produtiva da mandioca, vegetal considerado crucial para a segurança alimentar de milhões de pessoas na África Subsaariana. O treinamento acontece em Cruz das Almas, Bahia, nas instalações da Embrapa Mandioca e Fruticultura, entre os dias 9 de outubro e 21 de novembro. “O Brasil tem vários produtos processados a partir da mandioca”, disparou o diretor-geral do Instituto Internacional de Agricultura Tropical (IITA), Nteranya Sangina. “Meu sonho é ter maiores colaborações entre jovens brasileiros e africanos no setor de processamento da mandioca”.

A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA

A idade média dos agricultores africanos é, atualmente, de 62 anos. Para a África alcançar a autossuficiência alimentar no futuro, é preciso construir uma nova geração de jovens agricultores devidamente qualificados. Dados do Banco Mundial revelam que a agricultura contribui com 32% para o PIB da África e proporciona emprego para 65% da força de trabalho no continente. Em muitos países, 85% da força de trabalho está empregada no setor agrícola. Esses dados, por si só, ressaltam a relevância socioeconômica da Agricultura. Por outro lado, eles apontam para um desafio ainda maior: a agricultura tem potencial para retirar o continente da pobreza e aliviar a fome, mas precisa aplicar com tecnologias avançadas e investimentos públicos e privados. Além disso, é preciso incentivar a população mais jovem. Estima-se que 38% dos jovens africanos estejam atualmente empregados no setor agrícola. “O YTTP se alinha ao programa ENABLE Youth, do AfdB, que se relaciona diretamente a duas das cinco áreas prioritárias: alimentar e melhorar a qualidade de vida para o povo da África”, lembra Hiromi Ozawa, Diretor Executivo do banco para o Brasil, Argentina, Áustria, Japão e Arábia Saudita. “E isso é apenas o começo”, assegura João Bosco Monte, presidente do Instituto Brasil África. Segundo ele, a perspectiva é de que o número de participantes aumente em dez vezes e chegue a 300 em 2018.

 

INOVANDO

A nigeriana Mary Joseph cresceu nos Estados Unidos e há cerca de dois anos abriu, em Nairóbi, uma startup chamada Farm Drive, uma empresa de análise de dados que ajuda pequenos agricultores a conseguir crédito nas instituições financeiras. “Nós classificamos fazendeiros e depois vendemos esses resultados para instituições financeiras para que eles possam fazer essas avaliações de risco”, explicou, em conversa com a ATLANTICO. O serviço é gratuito para os agricultores. A receita vem das instituições financeiras que agora podem aproveitar um mercado formado por 50 milhões de pequenos agricultores em todo o país. Ao longo de 2016, a empresa fez um projeto-piloto em parceria com uma instituição de microfinanças que ofereceu US$ 150 mil para cerca de 400 agricultores quenianos. “Queremos atrair mais instituições financeiras para que haja um pool maior de capital”, adianta Mary Joseph, que espera terminar o ano de 2017 facilitando crédito para 40.000 agricultores. Iniciativas como o YTTP buscam desenvolver jovens como Mary Joseph, que com seus vinte e poucos anos, consegue inovar setores estratégicos com conhecimentos adquiridos fora da África para melhorar a qualidade de vida de povos africanos. “Voltar a trabalhar na África, no setor de desenvolvimento, é algo que sempre foi uma paixão por mim”, conta. “Eu sou muito apaixonada não só pela Nigéria, mas por todo o continente. E quando você olha para a África como um continente, você precisa olhar para a agricultura, pois ela desempenha um papel importante na vida das pessoas”.

IGUALDADE DE GÊNERO

“O crescimento econômico da África será mais rápido e os resultados do desenvolvimento serão melhores quando assegurarmos a igualdade de gênero”, afirma Chiji Ojukwu, diretor do AfDB. “O Banco está totalmente empenhado em acelerar a paridade de gênero dentro da instituição e em todos os países membros regionais”. Segundo ele, a seleção dos participantes do YTTP a cada ano vai garantir pelo menos, 50% de participação feminina. “No âmbito da Agenda de Empregos para a Juventude, o BAD pretende criar 25 milhões de postos de trabalho e impactar positivamente um total de 50 milhões de jovens na próxima década. O YTTP contribuirá para este objetivo, proporcionando aos jovens as habilidades necessárias para serem empregados com remuneração e estabelecer seus próprios negócios”, aposta Chiji.

Top 5

Fortaleza recebe primeiro data center da Angola Cables no Brasil

Após instalar dois cabos de fibra ótica em Fortaleza (o Monet, que vai até os Estados Unidos; e o SACS, que se conecta com...

Pesquisa e inovação impactam a agricultura do Brasil

São abundantes as manifestações de lideranças ao redor do mundo em reconhecimento à trajetória virtuosa da pesquisa agropecuária brasileira nos últimos quarenta anos. Graças...

Acordo preferencial eleva exportações sul-africanas ao Brasil

As exportações sul-africanas para o Brasil aumentaram de US$483 milhões em 2017 para US$ 663 milhões em 2018. As informações foram reveladas pela representante econômica...

Bienal do livro do Ceará receberá três autores africanos

Três escritores africanos estarão participando da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que será realizada em Fortaleza entre os dias 16 a 25 de...

Fórum Brasil África 2019: Segurança Alimentar em foco

A problemática da fome tem se tornado cada vez mais recorrente, embora ela tenha estado em declínio nos últimos anos, segundo informações da Organização...